Bom presságio: os pilares da nova Inter

Divulgação/Internazionale
Divulgação/Internazionale

Perisic-Icardi, o bromance que você respeita


Após três meses de espera, enfim a Serie A voltou. Mantendo o ritmo da pré-temporada, a Inter largou muito bem jogando em casa em uma partida que deixou evidente os pilares do time de Luciano Spalletti. Se a diretoria ainda não entregou um elenco equilibrado, o treinador trabalha com o que tem e, na verdade, é ele a grande contratação do verão, por tudo que já abordamos aqui. Contra a Fiorentina já vimos uma equipe organizada, que joga um bom futebol e tem estratégia e determinação para vencer.


Mesmo convivendo com um problema muscular na coxa esquerda desde maio, Mauro Icardi rapidamente deu o recado para Vitor Hugo e em 15 minutos decidiu a partida. Primeiro no pênalti sofrido e devidamente convertido na sequência; depois, com o gol de cabeça antecipando a marcação em cruzamento de Ivan Perisic. O croata, aliás, justificou a confiança de Spalletti e o apoio da torcida desde o profissionalismo mostrado após a transferência para o Manchester United não ter dado certo. Ele foi o melhor em campo por sua onipresença nos ataques e dedicação sem a bola. Mostrou, mais uma vez, ser o parceiro definitivo de Icardi, além de vice-artilheiro da equipe completando jogada de João Mário, que entrou muito bem na etapa final.


Divulgação/Internazionale
Divulgação/Internazionale

Como é bom ter um regista no time


Mas o homem da ordem é Borja Valero, mais do que convincente nos primeiros 60 minutos como regista do time. O time de Stefano Pioli - homenageado com muita honra pela Curva Nord - começou fazendo uma forte pressão na saída, mas com o carequinha no meio não houve qualquer problema para sair pelo chão e acionar Antonio Candreva, Perisic e Icardi no último terço. O espanhol tem uma leitura de jogo impressionante e uma ótima noção de espaço, além da técnica para executar tudo isso, pausando e acelerando o jogo com coerência. Também foi muito bem apoiado por Matías Vecino e Marcelo Brozovic, surpreendentemente titular na estreia.


E não há um bom time sem uma boa defesa. Milan Skriniar confirmou a impressão deixada na pré-temporada e novamente foi um dos melhores em campo, sempre muito seguro, confiante e concentrado na tomada de decisão, esperto para compensar a falta de agilidade com antecipação e força e insuperável pelo alto. Ao seu lado, o vice-capitão Miranda também esteve muito confortável nas coberturas e com boa saída diante do pressing adversário, domando Giovanni Simeone e Khouma Babacar. Ainda assim, os centroavantes viola produziram bastante perigo, mas Samir Handanovic mais uma vez foi decisivo com três importantes intervenções ao longo do jogo.


A estreia não poderia ter sido melhor no San Siro mais cheio dos últimos oito anos em agosto. Empolgação justificada pelo bom desempenho do time de Spalletti, que terá um longo caminho para brigar contra Juventus, Napoli, Roma e Milan por um dos quatro lugares para a próxima Liga dos Campeões.