Inter e o drama das últimas semanas de mercado

Getty Images
Getty Images

Enfim Icardi voltou à ativa, com direito a um gol e uma assistência em 60 minutos, enquanto Jovetic quer seu espaço depois de boa pré-temporada


Enfim acabou a pré-temporada, e o período não poderia ter sido mais positivo em campo para a Inter. A equipe reagiu muito bem com Luciano Spalletti e, muito mais do que as vitórias, a impressão que ficou foi a de um time organizado e bem fisicamente. No próximo domingo, dia 20, a estreia na Serie A será contra a Fiorentina, em Milão, e no sábado seguinte, dia 26, tem a Roma na capital, encerrando as atividades em campo em agosto.


Mas não nos bastidores, com a janela de transferências aberta até o último dia do mês, e com muito trabalho a ser feito pela direção. A expectativa era de que no tradicional feriado italiano de Ferragosto o elenco estivesse praticamente fechado e pronto para a temporada, mas não é bem assim. Além das necessidades do grupo, como pelo menos mais um zagueiro, um lateral-direito, um ponta e um atacante, há muitos jogadores sobrando na Pinetina ou com situações indefinidas.


Lembro de ter escrito no final de maio que a direção já trabalhava para “limpar” o elenco, mas nem metade do que era esperado aconteceu. Por exemplo, Andrea Ranocchia, Davide Santon, Jeison Murillo, Yuto Nagatomo, Marcelo Brozovic, Antonio Candreva e Stevan Jovetic seguem com contrato. Hoje, apenas Murillo e Kondogbia estão negociando suas saídas, ambos com o Valencia, que ainda não atendeu o desejo do clube. Ranocchia é outro que ainda há expectativa de ser transferido, enquanto Santon poderia ter o contrato rescindido.


Já Nagatomo, Brozovic, Candreva e Jovetic devem mesmo permanecer. A esperada saída do italiano era por causa do comportamento no final da temporada, especialmente no fatídico jogo contra o Genoa, porém o mesmo não faz questão de procurar outro clube, mesmo porque Spalletti conta com ele. O japonês e o croata ficam muito mais pela falta de interesse e também pela versatilidade que o treinador valoriza, enquanto o montenegrino deixou boa impressão na pré-temporada e parece disposto a brigar por um lugar.


Getty Images
Getty Images

Spalletti sabe exatamente o que precisa e já deixou claro, enquanto Sabatini e Ausilio precisam correr atrás


Não esqueçamos dos jogadores sem idade para o sub-19 e que não treinam com o time principal, casos de Andrea Bandini, Fabio Della Giovanna, Niccolò Belloni, Lorenzo Tassi, Zé Correia, Samuele Longo e Rey Manaj. Todos deverão ser negociados até o final do mercado, boa parte por empréstimo, uma tarefa provavelmente delegada por Piero Ausilio ao seu vice, Dario Baccin.


Em 2017/18, a Inter jogará no mínimo 39 e no máximo 43 jogos, contando as 38 rodadas da Serie A e eventuais cinco compromissos na Coppa Italia, caso avance até a final, o que não acontece desde 2011, quando ganhou seu último título. Não há necessidade de um grupo grande, e Spalletti faz questão de trabalhar com poucos, contando com cerca de 15 titulares, revezando o 11 inicial conforme o calendário. E até por isso alguns garotos do sub-19 completam o grupo.


Enquanto Andrea Pinamonti é o único oficialmente do primeiro time, Zinho Vanheusden, Xian Emmers e Rigoberto Rivas são outras caras constantes nos treinamentos, enquanto Federico Valietti, Marco Sala, Nicolò Zaniolo e Jens Odgaard também são valorizados. A prioridade de todos, no entanto, é a Youth League, a Liga dos Campeões sub-19, que a Inter disputará pela primeira vez depois de ter ganhado o Campeonato Primavera - lembrando, o clube foi campeão da última Next-Gen Series, em 2012, substituída por essa competição organizada pela Uefa.


Getty Images
Getty Images

No final das contas, está tudo certo com o coração de Schick, a próxima promessa da Sampdoria destinada à Inter. Ou a direção irá melar tudo?


Hoje a maior preocupação é com a defesa. Saindo Murillo e Ranocchia, sobram apenas dois zagueiros, e pelo menos um em condições de brigar com Miranda e Milan Skriniar precisa ser contratado. Foram especulados ou oferecidos Nicolás Otamendi, Eliaquim Mangala, Germán Pezzella, Presnel Kimpembe, Issa Diop e Juan Foyth, mas não há negociação em aberto, o que tem atrasado a saída de Murillo. Na lateral direita, Danilo D’Ambrosio é o único que convence, e mesmo assim com ressalvas, enquanto João Cancelo e Serge Aurier são atletas que interessam. Mas, novamente, não há negociação em aberto.


Com o meio-campo aparentemente fechado, mesmo saindo Kondogbia, o ataque está desfalcado. Se ainda não confiam em Pinamonti como primeiro reserva de Mauro Icardi, Éder e Jovetic são opções diferentes para a posição. Patrik Schick, com quem o clube já tem um acordo, é, assim como Vecino e Skriniar, um potencial titular e poderia provocar uma mudança no sistema para ser encaixado no ataque. Por outro lado, mesmo que Gabriel permaneça, há expectativa de pelo menos mais um ponta, mas as negociações com Emre Mor e Yann Karamoh estão paralisadas. Já Keita Baldé é uma enorme incógnita.


E assim, faltando pouco mais de duas semanas para o fechamento da janela de transferências, a Inter segue com muitas indefinições e necessidades claras para serem supridas. Os próximos dias serão de muito drama para os interistas. Não que isso seja novidade.