Inter: sobrevivência, paciência e desilusões

Reprodução/Internazionale
Reprodução/Internazionale

O gol foi fácil, mas o caminho até lá, hein, Gabriel?


Era óbvio que Icardi faria falta à Inter. Mais do que o artilheiro, Maurito é a referência do ataque, não apenas pela presença na área, mas por sua movimentação e contribuição nas jogadas no último terço - também é o líder de assistências do time, e todo o time se mexe em torno dele. Além do mais, é o capitão e um dos líderes do vestiário. Empoli e Bologna eram dois adversários praticamente de férias, mas sem um substituto para seu principal jogador, havia certo pessimismo, ainda mais que a equipe precisava dos seis pontos.


De qualquer forma, mesmo com duas exibições ruins, especialmente a da manhã do último domingo, com um jogo desesperadamente lento e sem técnica, as duas vitórias foram conquistadas. Melhor do que isso, a resposta de jogadores em baixa nos últimos meses, além da contribuição dos reservas. Éder e Banega, por exemplo, foram cruciais, e até Gabriel foi decisivo. Como sempre destacamos aqui, uma hora a paciência e o trabalho iriam compensar. O brasileiro fez seu primeiro gol pela Inter e deu uma vitória importante.


Os nerazzurri chegaram a 10 vitórias com Stefano Pioli. Em 13 partidas, 31 pontos de 39 disputados. É um ótimo desempenho, mas a verdade é que não fez diferença prática na tabela. O time se recuperou, ganhou partidas que a Inter deve sempre ganhar, mas tropeçou nos rivais e segue em desvantagem na briga por vaga na Liga dos Campeões. Nesse período, o Napoli somou 33 pontos e a Roma teve 30. Com 48 na 4ª posição, a Beneamata está a oito da Roma e a seis do Napoli. Faltam 13 rodadas.


Reprodução/Internazionale
Reprodução/Internazionale

Que homem! Samir Handanovic > Genzo Wakabayashi


No próximo domingo tem a Roma em San Siro. Considerando a regularidade dos adversários acima, que pontua tanto quanto a Inter, além de toda a vantagem técnica sobre o elenco interista, talvez seja a última oportunidade. A Beneamata, que não disputada nada além do campeonato, terá Cagliari, Atalanta e Torino em março, Sampdoria, Crotone, Milan, Fiorentina e Napoli em abril (que mês louco, aliás), Genoa, Sassuolo, Lazio e Udinese em maio.


O Napoli tem Real Madrid e Juventus por Liga dos Campeões e Coppa Italia, além de Atalanta, Roma, Crotone e Empoli até março, Juventus, Lazio, Udinese, Sassuolo e Inter em abril, Cagliari, Torino, Fiorentina e Sampdoria em maio. A Roma também tem a Liga Europa e duas partidas contra a Lazio na copa, enquanto enfrenta no campeonato Napoli, Palermo e Sassuolo em março, Empoli, Bologna, Atalanta e Lazio em abril, Milan, Juventus, Chievo e Genoa em maio. Ou seja, todos terão seis adversários que, hoje, ainda disputam alguma coisa e outros sete de férias.


P.S.: Sim, é impressionante a pouca competitividade que o campeonato se torna no final do ano. E obviamente foi pênalti para o Bologna no pontapé do Éder. Uma arbitragem com Mazzoleni e Rocchi não pode trazer boa coisa.