Qual o saldo da Primeira Liga para o Inter?

Ricardo Duarte
Ricardo Duarte

Roberson entrou muito bem e mostrou que ainda pode ser um jogador útil na disputa da Série B


INTERNACIONAL 0-1 ATLÉTICO-MG
Copa da Primeira Liga
Beira-Rio


Antes de o time ser anunciado, fiz uma pesquisa informal com meus seguidores no twitter sobre como o Colorado deveria encarar o jogo contra o Atlético-MG. A maioria entendia que a gente deveria jogar a competição a valer; logo, com o time considerado titular. Por isso, a rede social ficou repleta de críticas à direção quando foi anunciado um time completamente reserva, do goleiro ao centroavante. Críticas que, evidentemente, se tornaram maiores após a derrota.


Mas preciso confessar que eu me encontrava entre a minoria. Apesar da eliminação em uma competição que eu gostaria de vencer (quero vencer sempre, na real), a possibilidade de perder um jogador titular numa partida que pouco valia me incomodava. É aquilo: enquanto o Inter não estiver 100% garantido na Série A do ano que vem, eu prefiro não arriscar. Então, eu não queria que nada atrapalhasse o bom momento que o Inter vive, de confiança e vitórias na Série B. Ainda mais considerando que esse é um momento raro pra nós.


Isso posto, achei boa a ideia de poupar o time titular e colocar um time reserva em campo, dando oportunidade para quem não tem jogado regularmente mostrar serviço num jogo oficial (e não apenas em treino). Afinal, é importante saber quem ainda tem condições de fazer parte do grupo oficial na competição que vale tudo pra nós neste ano. E pelo que a gente viu em campo, foram poucos:


Marcelo Lomba - quando foi exigido, correspondeu. Se no ano passado ficou marcado pelas péssimos resultados nos cinco jogos com Falcão, nesta ano se recuperou completamente após as grandes atuações pela Copa do Brasil, enquanto Danilo Fernandes se recuperava de lesão. Inclusive, há quem entenda que Lomba deva ser o titular de Guto Ferreira.


Junio e Iago - com a venda de William e a saída de Ceará e Alemão, Junio acabou tornando-se a única alternativa. Mostrou muitas deficiências no primeiro tempo contra o Galo, que atacou constantemente pelo seu setor. Mas cresceu bastante após a entrada de Edenílson, que deu mais consistência na marcação e permitiu que ele subisse para apoiar mais. Já Iago teve uma atuação discreta, participando pouco das jogadas ofensivas por conta da presença de Camilo e Carlos (e depois Sasha) pelo seu setor. São dois guris que estão tendo oportunidades pela falta de outras opções e que precisam evoluir bastante.


Danilo Silva e Ernando - sem dúvida, a dupla provocou calafrios nos torcedores quando tiveram seus nomes anunciados. Mas nem um nem outro comprometeu. Não foram perfeitos (e nem era essa a expectativa), mas conseguiram enfrentar bem uma dupla de ataque formada por Robinho e Fred, além de jogadores rápidos como Clayton e Valdívia. Mesmo assim, melhor seguir torcendo para que Klaus e Cuesta sigam 100% até o final da Série B para que nenhum deles precise entrar em campo.


Ricardo Duarte
Ricardo Duarte

Charles foi novamente destaque. É dos poucos que substitui o titular mantendo o nível alto


Charles - pra mim, foi um dos destaques do time. Não tem a característica do desarme, como Rodrigo Dourado, mas é mais rápido e se apresenta constantemente no apoio, aparecendo para chutar a gol ou para receber um cruzamento que venha por cima. Uma das boas promessas que surgiram no clube. E dos poucos que consegue manter o ritmo lá em cima quando substitui o titular.


Alex Santana - o pior em campo, não fez por merecer a nova chance que recebeu do clube. Saiu no intervalo.


Camilo - é sempre cotado para jogar ao lado do D’Alessandro no time titular, mas eu sigo preferindo vê-lo como alternativa para o Cabezón. Não jogou mal, mas também não brilhou. Seu melhor lance foi no final da partida quando, já com cãimbras, deu um passe perfeito para Roberson concluir rente à trave. Junto com Nico López, é o jogador em condições de titularidade seja qual for a partida.


Carlos - mais uma vez, decepcionou. Se bem que talvez não seja essa a melhor palavra, pois há quem não espere nada dele. Como eu gosto de ser do contra, sigo achando que é um jogador que pode ser muito útil pro clube. O problema é que ele é sempre escalado como terceiro ou quarto jogador na última linha, nunca como segundo atacante ou como centroavante; e, mesmo assim, seguem cobrando-o como se tivesse sido contratado como artilheiro (coisa que não é). Deverá seguir na fila, esperando novas oportunidades.


Joanderson - fez os seus gols atuando pela base do Inter, mas ainda não está pronto. Pra mim, ainda precisa se desenvolver bastante pra se tornar uma alternativa no grupo principal.


Nico López - é o 12º titular do time. Joga demais e jogou demais, sendo responsável pelas principais jogadas de ataque do Inter. Mesmo jogando sozinho, pois faltaram companheiros à sua altura, quase empatou o jogo. Pro azar ele, disputa posição no time titular com o Pottker. E mesmo assim, também há quem entenda que o uruguaio deveria ser o companheiro de Damião no ataque do Inter.


Ricardo Duarte
Ricardo Duarte

Nico López joga muito e jogou demais contra o Galo. Melhor em campo com a camisa colorada


Edenílson - entrou e deu mais consistência defensiva pelo lado direito (o que não seria muito difícil, considerando que Alex Santana não jogou nada). Junio melhorou bastante com a sua companhia, e ele mesmo foi uma boa alternativa no apoio.


Sasha - ocupou o lado esquerdo e teve boa movimentação, mas ficou abaixo das suas melhores partidas. Mesmo assim, a melhor oportunidade do Inter na partida começou num chutaço que exigiu uma grande defesa do goleiro atleticano.


Roberson - teve a bola do jogo após uma tabela rápida com Camilo. Ocupando a área central do ataque, incomodou a defesa e por pouco não fez o gol de empate. Teve proposta para deixar o clube, mas pediu para ficar e ter novas oportunidades. Pelo que apresentou nos poucos minutos em campo, fez por merecer.


ESPN.com.br | Atlético-MG vence Inter e vai à semifinal da Primeira Liga


Perder nunca é bom, isso é óbvio, mas espero que essa derrota tenha servido pra baixar a bola de quem já dá como resolvida a volta pra Série A. Ainda tem MUITO caminho pela frente, mas bastaram algumas vitórias pra gente esquecer os defeitos do time. Por exemplo? Produzimos o suficiente para, pelo menos, empatar. Mas não conseguimos. E é por isso que o Pottker e o Damião foram contratados. O mesmo vale para a defesa, embora eu coloque o gol na conta de uma deficiência nossa, sejam titulares ou reservas em campo. É só lembrar que primeiro lance perigoso do Paysandu, no último jogo, foi um chutaço da mesma região de onde o Clayton fez o gol hoje. Geralmente, nossa produção ofensiva supera essa deficiência. Mas, dessa vez, não rolou. Perdemos pela mesma incompetência ofensiva apresentada na época do Zago e nos primeiros jogos do Guto.


No mais, vida que segue. Com a eliminação na Primeira Liga, voltar para a Série A continua sendo nosso principal – e agora único – objetivo neste ano. Vamos em frente.


#VamoInter
#NadaVaiNosSeparar
#ClubeDoPovo