Inadmissível o Grêmio estar fora da final do Gauchão

Grêmio Oficial
Grêmio Oficial

Miller Bolaños, exímio cobrador de pênaltis, foi substituído


Inadmissível o Grêmio ficar de fora da final do Campeonato Gaúcho mais uma vez. Imperdoável o Tricolor permitir ao rival a possibilidade de se tornar Heptacampeão gaúcho ganhando todas estas edições de forma consecutiva. Óbvio que temos muitos campeonatos pela frente nesta temporada, nosso elenco é competitivo, o rival está na Série B, mas o Grêmio protagonizou um vexame gigantesco. O maior adversário provavelmente será o campeão e nós teremos que aguentar a flauta, justa, diga-se de passagem. A soberania e o domínio absoluto que o Inter criou no Campeonato Gaúcho é algo que precisa ser debatido de forma institucional dentro do Grêmio.


Não podemos aceitar esta realidade, não sou daqueles gremistas que sofrem durante o jogo, a eliminação, mas no dia seguinte desprezam a competição. Eu queria ter vencido o Gauchão. Estou profundamente indignado com o que eu presenciei ontem em Novo Hamburgo. Com todo o respeito ao time da região metropolitana, que tem a sua luta, o seu trabalho e seus méritos, o Grêmio não pode disputar duas partidas de semifinal contra eles, utilizando a formação titular, e não vencer nenhuma. A sobera na Arena e erros primários em Novo Hamburgo. Esse o resumo da eliminação.


E no ano que sucede o rebaixamento do Inter para a segunda divisão do Campeonato Gaúcho, em que eles estão machucados e vulneráveis, o Grêmio tinha que aproveitar todos os momentos e colocar em prática a melhor fase que vive desde o ano passado, quando se sagrou Penta da Copa do Brasil. A missão tinha que ser atropelar o rival nesta temporada, mas, pelo contrário, o Tricolor deu forças para o Rebaixado FIFA, que caiu no campo e no TAS. Fizeram fiasco nos gramados e na Suíça. Como também é uma vergonha este time estar na final do Gauchão e nós não.


Para manter a coerência, não acho que Portaluppi tenha errado em poupar os titulares diante do Guarani do Paraguai. O técnico pecou em suas escolhas na semifinal do Gauchão. A eliminação nos 180 minutos vem de uma soberba demonstrada pelo Grêmio, especialmente na Arena, e por erros infantis de jogadores e comissão técnica no jogo disputado no Estádio do Vale. Com o gol qualificado, depois do 1 a 0, o Tricolor teria que intensificar a pressão para fazer logo o segundo gol, o que praticamente asseguraria a classificação, haja vista que o 2 a 2 era nosso.


E Portaluppi tirou de campo três exímios cobradores de pênaltis. Edílson, Léo Moura e Miller Bolaños. Faltou leitura da situação ao nosso comandante. Tivemos que ficar nos pés de Lincoln e Pedro Rocha nas penalidades. Substitui ambos por dois dos que citei e tínhamos resolvido a parada dentro da série de cinco penalidades. Por duas penalidades, tivemos a chance de encaminhar a vaga. E falhamos. Agora Inês é morta e Portaluppi precisa trabalhar intensamente para modificar a irregularidade da equipe. A bola aérea defensiva volta a preocupar. Se no Gauchão, esses erros já são fatais, imagina na Libertadores da América.