Não dá mais para passar a mão na cabeça do Grêmio

Gazetapress
Gazetapress

Fernandinho virou solução e é um dos menores problemas do Grêmio


Já deu, já me encheu o saco. Ah, o Grêmio ganhou, vamos aplaudir. Clap, clap, clap. Tá aqui tuas palmas, idiota. Enfia elas goela abaixo. Chegamos a um limite, um limite de qualidade, e o Grêmio extrapolou os níveis de tolerância. É impossível defender.

Grande coisa que o Grêmio ganhou do Coritiba. Ah, um gol no último segundo de jogo, que bonito. Chega de babaquice, não sou idiota pra engolir qualquer coisa. O Grêmio ganhou sem querer, vindo de um jogo que não tentou ganhar, como não vinha há muito tempo.


Grêmio Oficial
Grêmio Oficial

Cadê Luan?


Nos últimos oito jogos, o Grêmio ou ganhou por 1 a 0 ou perdeu pelo mesmo placar, com exceção do primeiro jogo contra o Botafogo, pelas quartas de final da Libertadores, quando empatou em 0 a 0. Em todos os jogos, a mesma modorrice, apatia e fraqueza. O Grêmio deixou de ser o que era: abandonou o bom jogo de 2017 e a galhardia histórica de superação.

Deu de passar a mão na cabeça de um time que joga mal, que não evolui. Deu de esperar por um jogador que não quer jogar. Onde está Luan? Esteve hoje no banco de reservas. Mas que lesão é essa? Ninguém sabe? Parece dor no bolso para uma renovação.

Levei o Grêmio ao limite, à beira da tolerância. Ou o Renato faz o time funcionar, ou não vai ser apenas meu discurso que vai ferir o clube. Tá na hora de o Grêmio voltar a si.