Libertadores é muito melhor que Champions League

Provavelmente você, que veio até aqui ler este texto, está indignado com o título e a única coisa que vem à sua mente é: “Depois daquela virada do Barcelona no último segundo de jogo, como alguém é capaz de dizer isso?”. Pois, meu amigo, futebol não é feito só de bola na rede, ele transcende. Por isso, Libertadores é muito melhor que Champions League.


Grêmio Oficial
Grêmio Oficial

A comemoração dos libertadores


Às vezes eu me esqueço de quão boa é a principal competição sul-americana, com meu time afastado um ano ou outro. Mas basta que chegue o dia da primeira partida do Grêmio na Libertadores para que tudo mude como mágica. Não é nem meio dia de quinta-feira e minha cabeça já retumba ao som do bumbo de alguma canção da Geral do Grêmio. A partir dali, nada naquele dia importa mais. Os gostos são insossos, os cheiros não têm graça, a vida parece cinza. Só penso na hora que meu time entrará em campo em busca d’Ela, a Copa.

Fomos à Venezuela, uma viagem longa e desgastante o suficiente para considerarmos o primeiro tempo da partida. Em meio a crises políticas, suprimentos alimentícios tiveram que ser levados para garantir a alimentação da equipe. Nós iríamos enfrentar o time do regime, cujo dono tinha ligações próximas de Hugo Chávez, figura amada e odiada dicotomicamente mundo afora e que descansa impávido no seu leito final.

O Grêmio ainda cambaleava os efeitos do trajeto até o país quando o juiz autorizou o início da partida. Só dava Zamora. Zamora pra lá. Zamora por aqui. E o Grêmio olhando, não entendendo. Na zumbificação gremista, as poucas qualidades venezuelanas se sobressaíram do casulo de suas limitações. Peña – um nome dignamente de Libertadores – assustava.


Grêmio Oficial
Grêmio Oficial

O chute torto de um gol lindo


A cortina de ferro venezuelana, que mascarava quem era o verdadeiro Zamora, se quedou com Michel. O volante gremista, criado em campo goianienses, recebeu de Luan na cara do gol e chutou a bola na Lua. O susto foi tanto que Hugo Chávez revirou-se na tumba e Michel, pelos gremistas, na dicotomia que separa tantos na política, acabou tornando-se o segundo Michel mais xingado naquele momento na República Federativa do Brasil.

Num segundo momento, Bolaños finalizou e o goleiro Salazar, nome de ditador português e vilão do Harry Potter, praticou sua defesa. Pouco tempo depois, Pedro Rocha, libertador, serviu seu parceiro veterano Leo Moura, que sem olhar pro gol, desajeitado, girando, realizou o chute feio do gol mais lindo do mundo. Era o fim da espoliação venezuelana.

Logo no início do segundo tempo, Ramiro, baixinho, lunático, sem posição e que joga em todas as posições, foi derrubado na área. Pênalti. Luan, na categoria dos monstros, com a tranqüilidade dos gênios, conseguiu criar uma humilhação onde não existe, numa cobrança de pênalti, deslocando o goleiro com um chute fraco e simples.


Grêmio Oficial
Grêmio Oficial

A alma de Simón Bolívar, no corpo de um cachorro, entrou em campo para carimbar o espetáculo


Mas nem toda batalha se vence sem que haja resistência. Num lance enfiado, Marcelo Grohe saiu da área tentando abafar as ações de Peña: foi driblado, mas o gol não saiu. Uma pressão iniciou-se, como se as investidas fossem surtir numa virada dentro daquela guerra ganha. Em um escanteio, Ramiro, o anão polivalente, tirou uma bola de cabeça de dentro do gol. Cinco minutos depois, quando a bola se acalmou na relva, Grohe desabou, fazendo a cera que todos odeiam, mas que salva vidas sob a exaustiva pressão do adversário. Tudo se esfriou como deveria. Um homem fingindo lesão ao chão esmaece qualquer um.

Então, sem avisar, sem se importar, como só em uma Libertadores seria possível, o espírito de Simón Bolívar, transmutado em um cachorro, invadiu o gramado como se dissesse: “Não estava bom o suficiente, então resolvi aparecer”. Após afagos do árbitro, ele se foi, voltando sua alma à sua tumba e sua espada libertadora. Não foi 6 a 1. Não foi uma virada. Não teve gol da classificação no último segundo. Mas teve muito mais. Muito mais. Isso é Libertadores, e é muito melhor que Champions League.