Cotovelada: a jogada favorita do Internacional

Gazetapress
Gazetapress

Em jogada no alto, Brenner acerta cotovelada e lesiona Pedro Geromel


A notícia do dia, nesta terça-feira, foi a ausência de Pedro Geromel na estreia do Grêmio na Libertadores da América por uma lesão. O diagnóstico é uma costela quebrada, angariada no clássico Grenal, oriunda de uma cotovelada do atacante Brenner.

Mais uma vez, um ano depois, no clássico Grenal do Campeonato Gaúcho, apitado por árbitros gaúchos tendenciosos, o Grêmio sai de campo desfalcado do resultado e de um jogador. Em 2016, o lateral colorado William covardemente agrediu com uma cotovelada Miller Bolaños, quebrando sua mandíbula e o alijando de grande parte da temporada e de sua adaptação no clube.


Gazetapress
Gazetapress

Há um ano, William acertava cotovelada em Bolaños, afastando-o por meses


Este ano, a atuação frouxa do árbitro Leandro Vuaden, que nos seu “estilo europeu de deixar o jogo andar” acaba liberando a violência, permitiu que o atacante colorado Brenner lesionasse Pedro Geromel por tempo indeterminado, depois de uma cotovelada em suas costelas. Na imagem, vê-se que os dois atletas sobem para disputar a bola e ambos abrem os braços. Geromel vai ao lance verticalmente; Brenner, horizontalmente, enfiando seu cotovelo no corpo do zagueiro gremista, que desaba. Assim, como Bolãnos um ano antes, mesmo com dores, o Geromel seguiu em campo, desta vez aguentando até o fim da partida.

Não sou “sommelier de maldade” pra falar sobre intenção de jogador; o problema está quando o árbitro é conivente com esse tipo de lance, como ocorreu com Anderson Daronco há um ano, e não pune os infratores. Em outro lance, Walter Kannemann roubou bola na zaga e avançou, sofreu um tranco forte no meio do campo, em que o juiz nada marcou. O defensor caiu sobre o próprio ombro e quase se tornou desfalque também.


Gazetapress
Gazetapress

Em vez de punir a violência, Leandro Vuaden resolveu punir a indignação por sua frouxidão


De erros graves, faltas invertidas e decisões dúbias, mais uma vez a arbitragem gaúcha do clássico Grenal permitiu a violência. No Brasileirão – isso quando o Internacional ainda jogava a competição -, com árbitros de outros Estados, esse tipo de situação não ocorre e, coincidentemente, o rival vermelho não conseguia nos vencer, geralmente levando goleadas.

Nos clássicos Grenal do Campeonato Gaúcho, a jogada favorita do Internacional é feita com o cotovelo, com o respaldo da arbitragem e da Federação Gaúcha.