Uma jogada para provar que Série B em 2018 será lucro para o Goiás

Rodolpho Chinem já é um colaborador deste Blog há algum tempo. Esmeraldino com avançado conhecimento de táticas e sistemas de jogo, ele faz aqui mais um vídeo para mostrar aquilo que tem sido recorrente há muito tempo no Goiás: a desorganização da equipe em campo.


RODOLPHO CHINEM*


O gol do Figueirense aconteceu na cobrança do pênalti cometido pelo goleiro Marcelo Rangel no atacante Henan.


É bom se lembrar, porém, de que Rangel é o maior responsável pelo Goiás não estar numa situação ainda pior do que a que se encontra hoje.


E o que deveria chamar mesmo a atenção é o lance completo que leva o arqueiro a cometer o pênalti. 


Tudo começa numa ligação direta do goleiro do Figueirense para o ataque. Nesse “chutão”, o ex-Goiás Zé Love, com seu 1,79 metro de altura, recebe a primeira bola sozinho.


Perto dele, David Duarte, com 1,92 metro, não disputa a bola aérea contra um atacante que tem 13 centímetros a menos. A pergunta: se não chega junto nessas condições, vai fazer isso quando?


Os problemas não param por aí: Alex Alves comete um erro grotesco. O posicionamento de quem vai disputar a segunda bola é buscar se postar na diagonal da jogada. Isso é básico – até por ser coisa que se aprende na base.


No dia a dia dos treinos já na equipe profissional, esse tipo de situação deveria ser apenas repassado e aprimorado.



O problema é que os únicos treinadores que passaram pelo time principal do Goiás desde 2015 e mostraram ter o conhecimento desses detalhes foram Julinho Camargo, Enderson Moreira e... Sérgio Soares.


Sim, Sérgio Soares. O técnico que, segundo Hailé Pinheiro, é “um treinador horrível”.


Mas a verdade é que Sérgio Soares foi o único treinador de verdade que o Goiás teve em 2017. O que ele implantou foi muito, se considerarmos o pouco tempo que teve. Muito mais do que qualquer outro que esteve no comando do time principal neste ano.


E agora, em pleno mês de agosto, com o segundo turno a todo vapor, o time esmeraldino não tem absolutamente nada em termos coletivos.


Em outras palavras, se não cair para a terceira divisão, pode comemorar torcedor esmeraldino. Série B em 2018 para o Goiás é lucro!


* Rodolpho Chinem é engenheiro civil e autor da página Goiás, Futebol e Gestão no Facebook.


LINCOLNEANAS

* * * * * O Goiás resolveu mandar o restante dos jogos da Série B no Estádio Olímpico. Medida sensata e que deveria ter sido adotada já anteriormente.


* * * * * O curioso, no entanto, é que isso é uma forma de passar recibo de que o ano está perdido e que não há por que jogar no Serra Dourada.


* * * * * Só pra ser repetitivo: podem contratar o Messi e o Cristiano Ronaldo. Enquanto houver jestão e não uma gestão de futebol no Goiás, não vai adiantar. Ou seja: troquem Hailé, Rassi e Lucindo e depois a gente volta aqui para conversar. Fácil, né?