Pré-jogo Paysandu x Goiás: jogar como se fosse em casa

Vou fazer um pacto comigo mesmo – façam também – de esquecer o extracampo e focar no jogo importantíssimo desta sexta-feira, às 21h30, no Estádio Mangueirão, em Belém.


O Paysandu é vice-líder e faz seu terceiro jogo em casa. Ganhou os dois anteriores, de Oeste (2 a 0) e do candidato a bicho-papão Internacional (1 a 0). Apesar de vir de derrota por 2 a 1 para o ABC, em Natal, a torcida está empolgada com o início promissor na Série B e deve comparecer em bom número.


Reprodução/Papão TV
Reprodução/Papão TV

Estádio Mangueirão, palco do jogo: Paysandu ainda não perdeu ponto jogando em casa na Série B


Considerando o projeto #10de12, para reequilibrar o time na tabela do campeonato, recuperando os pontos perdidos com as péssimas quatro primeiras rodadas, este é o jogo em que o empate seria tolerável.


Se o Goiás conseguir realmente manter o foco pode ser o primeiro time a conseguir tirar pontos dos paraenses em seus domínios. Mas não dá para ficar esperando o Paysandu jogar e o tempo passar.


Apesar da diferença na classificação, creio que há pouca discrepância técnica entre os times. É preciso continuar a reação e, para isso, é fundamental esquecer o fator campo, a pressão por resultado e os bastidores conturbados.


Em suma: pensar que está jogando no Serra Dourada.


O tempo curto, de 72 horas entre a vitória sobre o Santa Cruz e o jogo em Belém, tendo no meio uma viagem e toda a correria que isso envolve, não pode ser desculpa, simplesmente porque o adversário também passou por isso - já que jogou no Rio Grande do Norte.


Perder continua a ser inaceitável. Um clube como o Goiás, com o orçamento que tem diante dos rivais, não pode patinar na zona de rebaixamento de uma Série B. É nada menos que inadmissível.


LINCOLNEANAS

* * * * * Silvio Criciúma vai manter o time e não vejo como melhorar muita coisa com outras opções. Só continuo a esperar que Léo Sena ajude realmente na criação de jogadas ou se torne um grande roubador de bolas para definir o que será na vida.


* * * * * Tiago Luís, Carlos Eduardo e Aylon, mais entrosados, podem nos dar alegrias. Se isso ocorrer, Gamalho vai ter de começar a pedir para renovar...


* * * * * Se por acaso o placar estiver desfavorável no segundo tempo, em vez de trocar um 9 por outro, eu colocaria Michael no lugar de Léo Sena e deixaria a cobra fumar. Velocidade ao time não faltaria.