Goiás 2 x 1 Santa Cruz: um outro Verdão é possível

Não é para dizer que foi um jogo exatamente agradável, bonito de se ver, mas foi gostoso estar no Serra Dourada e sentir novamente o prazer de uma vitória esmeraldina. 


O Goiás de Silvio Criciúma nada tem a ver com aquele de Sérgio Soares. Ainda que na marra, o treinador querido voltou e a "alegria" também, embora a qualidade do futebol esteja ainda limitada. Só que ter vontade sempre vai ajudar. 


Nesta terça-feira, enfrentando um dos times do G-4 da Série B – embora seja preciso fazer a ressalva de que quatro rodadas são muito pouco para se afirmar um genuíno grupo de elite na competição –, vimos um time aguerrido e mais "elétrico" em campo, que chegou a um resultado merecido.


Uma coisa que não se pode negar a Silvio Criciúma que ele tenha estrela. Isso ficou demonstrado no momento-chave do jogo: quando a impaciência da torcida já brotava e o jogo entrava na faixa do desespero, ele pôs em campo, ao mesmo tempo, Michael e Léo Gamalho. Saíram Léo Sena e Aylon – este, a meu ver, injustamente.


Rosiron Rodrigues / Goiás EC
Rosiron Rodrigues / Goiás EC

Carlos Eduardo "participou" dos três gols: duas no cravo e uma na ferradura, mas aos poucos ele ganha a confiança do torcedor


Logo em seguida, sem que nenhum dos dois triscasse na bola, Tiago Luís bateu o escanteio que Pedro Bambu desviou para o complemento tranquilo de Carlos Eduardo: 2 a 1 e muito alívio.


O resultado não serviu para sair do Z4, mas mostra que o time não vai ficar por lá. E que um outro Goiás em campo é possível.


A conclusão do parágrafo anterior está longe de querer dizer que vamos escalar o pelotão até o alto da tabela. De qualquer forma, a motivação é um bom esteio para enfrentar as paradas duras que virão. 


E a primeira já é sexta-feira: nem 72 horas após a vitória, o Verdão tem de encarar o ex-líder Paysandu, em Belém. 


Mas ninguém disse mesmo que iria ser fácil. Ficará menos difícil se os jogadores mostrarem, nas próximas 33 rodadas, o mesmo comprometimento que tiveram na primeira vitória na Série B.


LINCOLNEANAS

* * * * * Tony fez o cruzamento para o primeiro gol e vinha em uma boa partida, incomodando o lado esquerdo adversário. A princípio não entendi sua substituição, mas consta que ele sentiu uma contusão. 


* * * * * Carlos Eduardo protagonizou os três gols, já que fez o pênalti que levou ao empate. Mas se saiu bem: foram duas no cravo e uma na ferradura. Se se mantiver assim, a gente perdoa. O que importa é a torcida perceber vontade e amor à camisa.


* * * * * Aylon não merecia ter saído. Deu muito mais mobilidade ao ataque, o que confundiu a marcação do Santa Cruz. 


* * * * * Não se pode dizer que Léo Gamalho estava de corpo mole com Sérgio Soares. Ele entrou na partida e não soube acompanhar o ritmo do jogo.


* * * * *Michael, que entrou com ele, mostrou que pode ser uma arma importante para desmontar sistemas defensivos. Seria interessante ver como funcionaria ele e Carlos com Aylon.

* * * * * Não esquecemos: faltam 7 pontos. #10de12