Goiás já pegou Flu 3 vezes em mata-matas; veja como foi

Sorteio da Copa do Brasil. Caiu a bolinha do Fluminense no caminho do Goiás. 


Pela quarta vez, os dois clubes vão se enfrentar em competições estilo mata-mata.


Foram dois confrontos pela Copa do Brasil e um pela Copa Sul-Americana. Vamos à história deles, resumidamente.


2009
No torneio nacional,
o Goiás estava com Hélio dos Anjos à frente do comando, naquele que ficaria conhecido como o ano da campanha pela estrela dourada. Vencemos Atlético Roraima na estreia (3 a 1), eliminando o segundo jogo; duas vitórias sobre o Brasiliense em seguida (1 a 0 e 4 a 1) e na 3ª fase pegamos o Fluminense. No jogo de ida, 2 a 2 no Serra Dourada (gols de Rafael Toloi e Felipe Menezes); na volta, outro empate, mas por 1 a 1 (gol de Jael – quem se lembra?), o que classificou os cariocas.


2013
Também pela Copa do Brasil, com Enderson Moreira como treinador, o Goiás passou por Oratório (AP), Santo André (SP) e ABC (RN). A 4ª fase, então, já eram as oitavas-de-final e houve, como agora, o sorteio da CBF. Veio a bolinha do Flu. Primeiro jogo no Rio (ao contrário, desta vez jogaremos aqui no Serra antes) e vitória deles por 1 a 0. Na volta, precisávamos de dois gols de diferença. E fizemos! Renan Oliveira e (acredite...) William Matheus foram os artilheiros. Passamos às quartas-de-final, quando eliminamos o Vasco (vitória de 2 a 1 em casa e derrota por 3 a 2 no Rio) e ficamos no Flamengo na semifinal (duas derrotas por 2 a 1).


Getty Images
Getty Images

Dudu Cearense tenta passar por Willians no confronto de ida da Copa do Brasil de 2013: na volta, o Goiás confirmaria a vaga às quartas-de-final


2014
O duelo foi pela Sul-Americana e o técnico era Ricardo Drubscky. No Maracanã, o Verdão perdia a primeira partida por 2 a 0 até os 48 minutos do segundo tempo, quando Erik marcou. No jogo de volta, de novo Erik fez o gol, o único da partida, que deu a classificação ao Goiás. Na sequência, perdemos por 1 a 0 no jogo de ida para os equatorianos do Emelec e vencemos pelo mesmo placar (gol de Erik, de novo). Nos pênaltis, um público de quase 30 mil esmeraldinos viu o time ser eliminado. 


Portanto, em duelos de copas estamos à frente: 2 a 1. 


Sobre o sorteio: poderíamos ter tido a sorte de pegar um adversário mais fácil, no papel? Sim. Mas, como se diz, o jogo é jogado.


E, mesmo o Fluminense sendo atualmente o melhor dos clubes cariocas, não há o que temer


Os confrontos da 4ª fase serão todos em abril, a partir do dia 5. E o que o Goiás precisa mesmo para avançar na Copa do Brasil falaremos aqui abaixo, nas Lincolneanas.


LINCOLNEANAS

* * * * * O empate por 1 a 1 com o Cuiabá foi um resultado normal. O time estava relaxado pelo resultado do jogo de ida e, pelo que se ouviu pelo rádio e foi escrito por quem presenciou a partida in loco, o Goiás sofreu maior pressão no primeiro tempo, quando levou o gol.


* * * * * Aylon, artilheiro esmeraldino na partida, vai crescer a partir de agora. Precisa fazer mais jogos completos e se ajustar a Juan, Tiago Luís e Léo Gamalho. Quem sai para ele ganhar a vaga? Claro, Carlos Eduardo.


* * * * * Gilson Kleina foi expulso e fica fora do banco de reservas no jogo de ida contra o Fluminense, em Goiânia. Apesar do bom relacionamento com o elenco (o que é essencial a um treinador) e da invencibilidade de quatro jogos, seu time ainda não convenceu defensivamente. 


* * * * * Para passar pelos cariocas, uma boa defesa será essencial. Problema: não temos isso ainda. E não vai dar para ficar só contando com os milagres de Marcelo Rangel.