Abre o olho, Fluminense: providências precisam ser tomadas

Fernando Soutello / Gazeta Press
Fernando Soutello / Gazeta Press


Pode ser que essa fase seja apenas um momento ruim do qual nos lembraremos daqui a alguns anos assistindo ao DVD do Fluzão Campeão 2017, saudosos de Henrique Dourado, Leo Pelé e Marquinhos Calazans e do gol de voleio do Nogueira que nos garantiu a vitória no jogo do título.


Mas pode ser que seja o começo de algo pior.


O Fluminense está a apenas quatro pontos da zona de rebaixamento e à frente de times como Flamengo, Botafogo, Palmeiras e Atlético-MG que, convenhamos, dificilmente brigarão para não cair.


(Chegamos a esse lamentável ponto de colocar o Botafogo à frente).


Penso que o futebol sempre será decidido dentro de campo no 11 contra 11.


Porém, no contexto do futebol profissional “organizado”, não há dúvidas de que os rumos de qualquer clube de futebol dependem das decisões, pensamentos e providências de um grupo seleto de pessoas, a famigerada “diretoria” - até porque os 11 que vão a campo dependem de uma assinatura de algum desses caras.


Daí, parafraseando as exatas palavras do amigo @vinioaraujo, é inadmissível a diretoria do Fluminense não contratar jogador.


O “plano” 2017 – que na verdade não é um plano, mas sim a total inércia – consistia em inserir os 2 equatorianos (que foram contratados ano passado), subir a base toda, que de fato tinha um ou outro jogador OK, e torcer pra isso dar certo. Com o Abel na linha de frente, ciente do “plano”, estariam todos blindados: os dirigentes e os jogadores.


Pro plano dar certo bastava os equatorianos chegarem jogando pra caralho, os moleques da base jogarem como se tivessem 20 anos de experiência, e não de vida, e o Ceifador começar a, de fato, fazer gols.


Inexplicavelmente, foi dando certo, e quase ganhamos o Carioca, faltou um pentelho.


Mas aí veio o que todo mundo sabia que mais cedo ou mais tarde aconteceria. Wellington machucou, Sornoza machucou, Orejuela foi pra seleção, Renato Chaves machucou.


(Renato Chaves, bicho. Tinha até me esquecido dessa praga.)


O mínimo que se espera nesse contexto é uma providência dos caras com a caneta na mão, certo?


É de cair o ânus da bunda ver essa situação se desenhando e ouvir os caras falando que não vão contratar ninguém, que não há dinheiro e que os reforços serão, em bom português, jogadores da base que não eram bons o suficiente pra subir com essa leva e que passaram uma temporada na Série B da Eslováquia.


É claro, os homens da caneta só estão lá porque foram eleitos por um seleto grupo de pessoas. É foda, também, lembrar que durante esse processo essas pessoas venderam um Fluminense que parecia a Disneylândia, para agora virem falar em terra arrasada.


O momento atual do Fluminense me deixa mais preocupado do que quando eu vejo o Abel chamando alguém do banco de reservas.


A imagem do Fluminense para o mercado me parece péssima. Com um grande “NÃO TEMOS UM PUTO” pintado em letras vermelhas na testa – é impressionante, todos os dirigentes fazem questão de dizer isso A TODO MOMENTO – será dificílimo contratar jogadores bons e que cheguem para agregar positivamente. Além disso, quem quiser vir surrupiar nossas promessas sabe que não vai precisar pagar muito.


O Fluminense é o único clube da “elite” do futebol brasileiro sem um patrocínio master.


E aí, eu volto pro assunto Disneylândia, porque os caras que hoje têm a caneta na mão nos falaram, há alguns meses atrás atrás, que tinham consigo INÚMERAS empresas, que estavam praticamente se estapeando para patrocinar o Flu.


Hoje esses caras estão lá. E cadê essas empresas?


Penso que é muito mais fácil convocar a torcida para ~entender o momento~ e andar ao lado em um momento “burocraticamente difícil” sendo honesto e transparente. Quando se olha em retrospecto e se percebe claramente que os torcedores foram ENGANADOS – e a torcida não era enganada assim desde que o Gerson subiu pro profissional –, é muito difícil não ficar puto, porra!


O torcedor perde o gosto com o clube, perde o gosto com o time que já levou SETE A UM DO GRÊMIO NO ANO – EU NÃO AGUENTO MAIS VER GOL DO GRÊMIO –, resolve poupar seu dinheiro, sua energia e sua paciência e não ir ao estádio, e os caras ainda têm a pachorra de falar que a culpa é dos torcedores.


O que me preocupa ainda mais é ver essa grande nuvem negra se aproximando e ver que os caras estão completamente perdidos, inertes, não conseguem contratar um volante reserva do Grêmio (que ontem NEM JOGOU a despeito de o Renato ter ido com QUATRO volantes) e estão pensando em ESTÁDIO!!!


É como não ter papel para se limpar a bunda e querer comprar um vaso sanitário de diamantes.


___________________________________________


Eu relutei muito em fazer um texto falando sobre o “Caso Richarlison” porque me dei conta do quão absurdo era o grande BAFAFÁ que se gerou. Pra mim, um caso clássico de EMPRESARIAGEM: afinal, por que os empresários dele esperarariam para ganhar uma comissão só quando o Flu vendesse o moleque pra Europa, se poderiam levar uma comissão vendendo agora para o Palmeiras e depois outra quando ele fosse para fora?


Agora, os caras lá na Álvaro Chaves estão precisando de umas aulinhas de crisis management, mano.


Todo o modo como a situação se desenrolou serviu pra gerar apenas uma puta instabilidade, que teria sido facilmente resolvida se o Abel tivesse colocado o Richarlison aos 48 do segundo tempo contra o Palmeiras – assim, ele faria o sétimo jogo ontem e a celeuma estaria morta.


Mas pra que, né? Deixemos o circo pegar fogo.


Uma coisa para mim é bem clara:


Vender o Richarlison para o Palmeiras, um rival interno, por essa mixaria, é reconhecer, admitir e confessar que o Fluminense hoje não está na prateleira de cima do futebol brasileiro, colocando o clube em posição de inferioridade e fragilidade perante os demais rivais.


Para um clube que foi CAMPEÃO BRASILEIRO COM TRÊS RODADAS DE ANTECEDÊNCIA HÁ CINCO ANOS, é uma volta e tanto, não acham?


E teve gente que conseguiu se eleger falando em DAR CONTINUIDADE AO PROJETO DO PETER SIEMSEN.


___________________________________________


Fernando Veiga disse que, por enquanto, o Fluminense só está atrás de GOLEIRO e LATERAL-ESQUERDO.


Ou seja: estão satisfeitos com Nogeira, Régis Naldo, Renato Chaves e Frazan como opções para o resto do campeonato.


(Tomaremos 100 gols.)


Estão satisfeitos com Renato como opção para o resto do campeonato.


(Lembram do RENATO TITULAR NO MEIO-CAMPO?)


Estão satisfeitos com Pierre, Marquinho e seus 108 quilos, Marcos Junior e Pedro para o resto do campeonato.


(Imagina o Marcos Junior jogando na altitude)


Que os 46 pontos venham logo.


____________________________________________


Acho realmente admirável a postura do Abel de assumir esse posto de “guardião” e absorver tudo para si, pois sabe que seu crédito perante a arquibancada é imenso.


O Abel deve ser o tricolor mais puto do planeta com essa situação, afinal, a ele cabem as providências mais imediatas para nos dar alegrias. Porém, o cara não é bruxo, porra. Os caras que dão pra ele escalar são ruins demais.


Pelo amor de Deus, não caiam nessa de pedir a cabeça do Abel, e espero que o Abel não desista e entre numa de pedir o boné. Eu não sou senhor do tempo, mas eu sei que vai chover e que as coisas estariam muito, muito, mas MUITO piores se não fosse por CARLO ABELOTTI.


Apenas parem para imaginar um cenário onde o Abel vaza e os caras que não conseguem nem tirar o lateral reserva do Criciúma tenham que escolher um técnico que “caiba no orçamento”.


Vai ser papo de sentir saudade de Ricardo Drubscky, PC Gusmão e Paulo Campos.


Abelão é a minha única esperança de não passar (muita) vergonha no final do ano.


Gritar "time sem vergonha" para um bando de garotos que receberam um puta rojão no colo também não me parece a melhor das ideias, em que pese eu entender TOTALMENTE a indignação com as exibições ruins.


Penso que são os menos culpados desse merdelê todo.


_______________________________________________


1 – JULIO CESAR: Não importa se foi(ram) frango(s) ou não. O nível é tão baixo que a discussão se resumiu a “falhou nos dois” x “falhou em um só”. É muito ruim essa sensação de que qualquer chute do adversário vai entrar, sensação que persiste seja com Julio Chester, seja com Águalieri. Goleiro é pra ontem.


2 – ZAGUEIRO HENRIQUE: Joga muita bola. Régis Naldo também foi bem, por mais increça que parível.


3 – LEO “PELÉ”: Eu não aguento mais. O Flu devia aproveitar essa ótima notícia de que o garoto vai ser pai de uma linda menina para se reafirmar como um clube de vanguarda e mandar o garoto para uma licença-paternidade de nove meses na Eslováquia. Na defesa ele depende diretamente da ajuda do Richarlison (às vezes até se escondendo nessa ajuda - revejam o gol do Atlético-PR) e no ataque falta recurso técnico pra driblar um marcador minimamente competente. Aí, sua jogada se resume a levar a bola o mais próximo da linha de lateral, chutá-la nas pernas do adversário e lançar o famigerado LATERAL PRA ÁREA. ABEL, PORRA, EU NÃO AGUENTO MAIS ISSO CARA. DESDE 2011 ESSA MERDA CARA. JÁ DEU.


4 – WENDEL: Devia ser tombado como patrimônio histórico do Fluminense. Colocar "preço mínimo" em um jogador claramente inegociável é de doer.


5 – SCARPA: Meu Deus, como o Scarpa não jogou absolutamente porra nenhuma. Há tempos não via um jogador errar absolutamente tudo (provavelmente desde a última partida do Marquinho). Parando para pensar agora, cheguei à conclusão de que mesmo assim ele não escondeu e chamou a responsabilidade – realmente algo que só dá pra apreciar agora, porque na hora foi foda de aguentar. Pra melhorar, o Abel tira o cara e bota o PEDRO. O PEDRO


6 – RICHARLISON: O que não faltou foi “esse filho da puta tá vendido” e “vai logo pro Palmeiras” depois que ele perdeu aquele gol absurdo que seria o empate. Só acredito que não vai ser vendido quando o juiz apitar o início do Flu-Fla.


7 – CALAZANS: De tanto falarem no cara, eu incluso, assisti ao jogo FOCADO na exibição do cara. Muito ágil e habilidoso, mas morto, especialmente quando foi pra lateral. Teve um lance em que ele perdeu a bola na intermediária e demorou 5 minutos pra voltar.


8 – LUCAS FERNANDES: Entrou no intervalo e os 7 primeiros minutos do segundo tempo bastaram pra ele ter sido o melhor do Flu em campo, em que pese ter perdido um gol absurdo. Depois, misteriosamente, todas as jogadas passaram a correr pelo lado oposto ao seu.


______________________________________


PREVISÕES PARA O FLU-FLA:


Ganhar Fla-Flu é normal, independente do que digam do lado de lá.


Só gostaria de, se possível, não levar gol do Conca.


Obrigado, de nada.


STs