Ainda dá tempo de buscar o penta?

Você que assistiu à melhora substancial desse time nas últimas rodadas, sobretudo no quesito disposição, deve estar pensando: ainda dá tempo de buscar o pentacampeonato?


É uma dúvida justa.


Afinal, matematicamente estamos no páreo.


Os desavisados, esses que entendem muito de futebol e nada de Fluminense, dirão que a vantagem ainda é considerável.


Que prudência e canja de galinha não fazem mal a ninguém.


Mas e nós, que acompanhamos as proezas desse clube ano após ano? Devemos nos contentar com o lugar no G4?


Devemos nos render à lógica e entrar no discurso do título improvável?


Faltam seis jogos para o fim do campeonato. Estamos na quarta posição, dez pontos atrás do líder Cruzeiro.


Logo, se o percentual é maior que 1%, por que desacreditar, se é nítida a volta da boa fase de alguns dos principais jogadores, assim como o encaixe de outros menos cotados?


Na última partida, por exemplo, voltamos a ter um goleiro sortudo e afeito às grandes defesas. Tem sido assim sempre que Diego Cavalieri atravessa seus melhores momentos.


Conca é outro que tem sido simplesmente estupendo. Na vitória passada, prendeu o jogo, cavou as faltas, distribuiu passes e concluiu a gol.


Fred também está novamente em alta. Orientando a equipe, colaborando e atingindo marcas expressivas.


Sempre o considerei injustiçado entre os que estiveram com a Seleção Brasileira na Copa do Mundo (por clubismo dos rivais), mas nunca tive dúvida de seu talento como centroavante. E os números comprovam: Don Fredón joga menos tempo que seus principais concorrentes e ainda assim tem média de gols muito superior.


E o que falar da grata surpresa chamada Guilherme Mattis? O zagueiro, que chegou desacreditado por este blogueiro, novamente fez partida interessante, com muita garra, salvando até um gol certo do Goiás no último lance do primeiro tempo.


São fatos que, se por um lado animam a buscar os objetivos enfrentando quem vier, por outro aumentam o lamento pelos tropeços bizarros no passado. Empates diante do próprio Coritiba (próximo adversário), no Maracanã; do Bahia, no Mané Garrincha; além das derrotas para o Vitória.


Fracassos que, se evitados, selariam nossa posição entre os favoritos ao título.
Como conseqüência, hoje, somos franco-atiradores.


Embora esse status não deva ser desprezado, já que muitas vezes ele foi o suficiente para o Fluminense chegar aonde quis.


E você: acha que ainda dá tempo?