Mística respeitada: o campeão é o Flu!

Quem não teve a oportunidade de assistir ao Fla-Flu final da Taça Guanabara 2017 que corra rápido para o VT. Foi exatamente ESTE FLA-FLU que algumas 'autoridades', 'jornalistas', além do atual presidente do Botafogo, este último provavelmente por não saber o que é se emocionar num clássico de futebol, quis que fosse disputado com torcida única.


Não entendem NADA dessa parada!


O Fla-Flu, mais uma vez, foi um espetáculo com rivais no campo e na arquibancada, como tem que ser e quase sempre é, contrariando aqueles que Nelson Rodrigues um dia chamou de Idiotas da Objetividade. Um JOGAÇO com toda mística, camisa e rivalidade, do alto de seus quase 105 anos de história. Um duelo que não deveu absolutamente nada aos jogos que a geração Nutella de hoje em dia baba mundo afora.


l Curta o BLOG LARANJEIRAS no Facebook


E o Fluminense comemorou novamente em seu Salão de Festas, para desespero dos 13 botafoguenses espalhados pelo planeta, cuja moda agora é arrotar a propriedade sobre um estádio construído com verba pública - título ali mesmo, até hoje, só ganharam com a ajuda do Playstation.


Uma partida sensacional do nosso Tricolor. Seguindo nesta toada, poderemos, sim, brigar de igual para igual com os chamados times mais 'prontos'. Equilibramos certa inexperiência com raça e velocidade, como há muito tempo não víamos. Deu muito gosto de ver o Fluminense. 


Nelson Perez / Fluminense FC
Nelson Perez / Fluminense FC

O Fluminense é coletivo, não individual


Importante é a alma que Abel Braga trouxe de volta ao nosso club. Atualmente somos uma equipe de jovens que entendem o significado de vestir uma camisa com as nossas tradições. O Fluminense definitivamente não combina com a soberba de até então. O Fluminense é esperança e vigor. Ele pulsa!


O Fluminense é luta sob todas as circunstâncias, não desfaçatez. É o título ganho com a barriga, é o time que se agiganta com oito jogadores em campo.


l Siga o BLOG LARANJEIRAS no Telegram


O Fluminense é o gol chorado no último minuto. É o goleiro que amputa o próprio dedo pra voltar à meta mais rápido que previa a medicina. É coletivo, não individual.


Enfim, que jornada brilhante desta camisa gigante! Criticar qualquer coisa num dia como este não seria uma atitude de bom-senso.


E a taça, mais uma para a nossa coleção, é o de menos, quando o que estava em jogo era reiterar a mística deste que é um dos maiores clássicos do mundo.


Serviço completo: foi um 'ai, Jesus'!


@TorresFagner