Análise das (possíveis) novas contratações do Flamengo

Gazeta Press
Gazeta Press


E aparentemente o Flamengo foi às compras. Após realizar com Vinicius Jr. aquela que talvez tenha sido a primeira boa venda de jogador da sua história – o rubro-negro costumeiramente troca suas grandes revelações por espelhinhos, miçangas ou vampetas -, o clube parece estar disposto a abrir o cofre e, principalmente em virtude das falhas e limitações demonstradas durante a Libertadores, reforçar o elenco para o segundo semestre. As informações sobre os novos nomes variam muito em termos de confiabilidade e qualidade.

O principal reforço, não apenas por ser a negociação que parece estar mais adiantada, como também o jogador de maior qualidade, é Éverton Ribeiro. O meia, que se destacou no Cruzeiro, viria para um formar um possível meio de campo dos sonhos com Diego e Conca – e, se conhecemos bem Zé Ricardo, Márcio Araújo – caindo pela meia direita. A famosa “contratação de oportunidade” que a diretoria tanto fala, é um meia com nível de seleção brasileira que viria para ser titular e finalmente dar jeito numa posição onde já tentamos desde Cirino até Rodinei, e antes do fim do ano possivelmente já teremos improvisado o goleiro reserva Thiago.

Citada recentemente na mídia, a possível chegada de Geuvânio, ex-Santos, serviria também para suprir essa carência de jogadores de lado de campo, já que o atacante pode jogar pelos dois lados. Atualmente no futebol chinês, essa fase de bônus do Super Mario do futebol onde os atletas vão para acumular moedinhas de ouro, Geuvânio não é um jogador diferenciado ou fora de série, mas sua chegada sinalizaria possivelmente não apenas uma desilusão do clube com Berrío, que não vem se adaptando, como também uma certa intenção de parar de nos torturar com a presença constante de Gabriel. Apenas esperemos que a chegada de outro homem de frente não represente menos chances para Vinicius Jr.



Outro nome citado é o de Rhodolfo, ex-Grêmio e São Paulo, um zagueiro que, ainda que não se encaixe na categoria “jogador de seleção que vem pra ser titular”, fez algumas boas temporadas pelo tricolor gaúcho e atinge o que parece ser o principal requisito para uma contratação defensiva no Flamengo hoje: não conseguir ser pior do que o Rafael Vaz. Ainda que dar mais oportunidades para Léo Duarte fosse a solução mais barata e até mesmo prática diante dos valores que o Besiktas parece querer pelo zagueiro, é compreensível a pressa do Flamengo em oferecer para Zé Ricardo alguma outra opção para a zaga, já que Donatti ainda está se tratando de sua reação alérgica à titularidade e Juan, por motivos místicos, só pode ser utilizado na quarta lua cheia do ano, em partidas contra times cujo técnico tenha ao menos ¼ de sangue indígena.

As outras especulações são bem mais, vamos dizer, especulativas. Entre elas temos a já descartada vinda de Sassá, atualmente no Botafogo, que preencheria a lacuna que o Flamengo tem hoje no setor “atletas que dão muito problema, geram expulsão de colega de time e tiram foto com maços de dinheiro”, posição que realmente andamos bem desfalcados. Assim como o antigo caso do volante chileno Marcelo Díaz, que seria mais uma tentativa da diretoria de superar a chamada “maldição do Márcio Araújo”, uma lenda milenar que, independente do quão badalado for o seu novo volante, a simples presença de Marcinho irá intimidá-lo de tal forma que ele será incapaz de praticar um bom futebol. Entre as vítimas já estariam Canteros, Cuellar, Rômulo e até mesmo William Arão, que já vem tendo sua energia vital drenada e envelhece cada vez mais, enquanto Márcio Araújo em breve atuará também pelo Flamengo sub-20.

Dessas contratações, apenas a de Éverton Ribeiro é digna de comemorações, sendo Geuvânio mais um atleta mediano para compor elenco e Rhodolfo uma reação desesperada da diretoria diante das falhas sucessivas da defesa – além de serem ambos jogadores que obrigam quem escreve sobre eles a conferir duas vezes a grafia dos nomes. Claro, podemos ter ótimas surpresas e Geuvânio em um mês fazer tantos gols que vamos começar a chamá-lo de Geuvanistelrooy, ou Rhodolfo ser tão xerife que a FIFA vai abrir uma exceção na regra permitindo que o Flamengo instale uma porta de saloon na frente de sua defesa, mas a sensação continua sendo de que mais uma vez a diretoria prioriza o atleta mediano de fora, em detrimento do jogador promissor da casa.

Como sempre na vida do torcedor, só nos resta mesmo é torcer e, se Rhodolfo não achar que bate falta e Geuvânio não for um novo Marcelo Cirino, já estamos de certa forma no lucro.