Manutenção e mudanças no Figueirense

Na noite desta terça-feira, novamente o Figueirense tropeçou em casa ao empatar com o Juventude por 2 a 2. No sábado, irá disputar a última partida do turno, mas é sabido que terminará a primeira metade da Série B na zona de rebaixamento.


Apesar do empate, o alvinegro mostrou um pouco de futebol. Méritos para o treinador interino Márcio Coelho. Ele segue no comando do time até o próximo sábado. Eu o manteria até o final da Série B. 


Esse mesmo time já provou que pode jogar bola. Basta confiança. 


Parceria misteriosa


Não quero me estender sobre a futura parceria, por 20 anos, do Figueirense com um grupo misterioso formado por investidores norte-americanos e árabes, cujo CEO será o ex-dirigente são-paulino Alexandre Bourgeois.


Vou me ater a dois pontos:


1) Nem a parceria com Paulo Prisco Paraíso, o dirigente mais vitorioso da história do clube, durou tanto. Depois do primeiro revés, os mesmos conselheiros, imprensa e torcedores optaram por romper o elo que durou dez anos.


Duvido que terão paciência dobrada com os novos e desconhecidos "donos" do Figueirense.


2) Alguns conselheiros, torcedores e dirigentes em Florianópolis querem ostentar seus cargos à frente do clube, mas esperam por alguém que assuma as responsabilidades. O primeiro que aparece "disposto" a isso torna-se um rei, o ser supremo.


Foi assim com o "mecenas" Wilfredo Brillinger após a era PPP. É agora com a tal parceria que irá pagar toda a dívida do clube, colocá-lo na Libertadores e construir uma arena moderna.


É mais fácil iludir o pessoal do que roubar doce da mão de criança!


Depois, não adianta chorar!