Figueirense: renuncia, presidente!

A cada dia, a cada nova derrota, ação na justiça do trabalho ou declaração cobrando pagamentos atrasados, o torcedor do Figueirense aumenta sua indignação em relação ao presidente Wilfredo Brillinger.


Ontem, antes mesmo da partida que culminou com mais uma derrota em casa e as demissões do treinador e do superintendente de esportes, alguns "torcedores" quebraram a parte de fora do Scarpelli, forçando os jogadores a deixarem o vestiário às pressas com medo do que pudesse ocorrer.


Acabou o respeito e, quando isso acontecesse, é melhor terminar a relação.


Vá para a casa, Wilfredo Brillinger. Vá cuidar da família, dos seus negócios, da saúde. 


Aproveite a reunião do Conselho Deliberativo, marcada para segunda-feira à noite, e entregue sua carta de renúncia. Nos bastidores, há indícios de que isso possa realmente ocorrer.


Figueirense FC
Figueirense FC

Em 2016, o mandatário apresentou um 'termo de compromisso' de que o Figueirense não cairia. Virou chacota nacional e ainda caiu para a Série B


Ao que tudo indica, duas propostas de "parceria" com o Figueirense serão apresentadas: uma de um português dono de uma empresa de crédito consignado e outra de empresários do ramo de bebidas.


Ainda não se sabe mais detalhes de tais parcerias, mas o jornalista Rodrigo Faraco publicou o que deve ser implantando no clube (leia aqui).


Independentemente da decisão do Conselho Deliberativo, o torcedor não aguenta mais a permanência do mandatário. Aliás, nunca o aturou.


A relação conturbada, que começou como se Wilfredo fosse o "salvador da pátria" - tido como empresário rico, apaixonado, mecenas -, ficou marcada por conquistas em campo e pataquadas fora dele.


No futuro, ele pode dizer aos netos que sua gestão conquistou dois títulos estaduais, participou de três anos da elite do futebol nacional, assinou um contrato com a gigante Adidas. Mas o torcedor jamais irá esquecer da expulsão de Fernandes e Wilson, da crescente dívida, da constante humilhação com o passivo na justiça do trabalho que não para de aumentar e da possível queda para a Série C como ato derradeiro.


Para os mais jovens, Wilfredo deverá ficar marcado como o mais impopular presidente da história recente do Figueirense. Por isso, renunciar será um ato para o bem do clube.


A renúncia não é o pedido do jornalista/blogueiro Henrique Santos, mas sim de toda a nação alvinegra.