As dificuldades que Marcelo Cabo terá no comando do Figueirense

Gazeta Press
Gazeta Press


O Figueirense anunciou, nesta quinta-feira, o terceiro treinador para 2017. O nome da vez é Marcelo Cabo, que estava no Atlético-GO e trabalhou no Scarpelli como auxiliar de Jorginho e Branco entre 2011 e 2012.


Cabo é o atual campeão da Série B. Só por isso merece a confiança do torcedor alvinegro. Se ele é malabarista, não sei. Precisará ser para levar o alvinegro de volta à Série A em virtude de muitos problemas que insistem em minar o vestiário.


- Jogadores mimados que não aceitam a reserva e/ou atuação em posições/funções distintas;


- Salários atrasados ou pagos somente a quem está jogando;


- Grupo de jogadores influentes treinando em separado, mas minando o ambiente;


- Ausência de gerente de futebol e aparente interferência na escalação;


- Descrença e antipatia da torcida com a atual diretoria.


Estes e tantos outros problemas derrubaram os cinco últimos treinadores do Figueirense. Uns até então admirados pela torcida e outros nem tanto. Sobrou até para o ídolo Márcio Goiano, estupidamente xingado durante 90 minutos no empate para o Criciúma na terça-feira, e para Argel, figura próxima do presidente.


Enquanto a histeria tomou conta das arquibancadas, dentro de campo o time esqueceu aquele futebol que encantou nos dois primeiros jogos da Série B.


Enfim, a missão de Marcelo Cabo é difícil, mas tomara que seja exitosa.


Boa sorte!