Dá para cobrar de um treinador após nove jogos e nenhum reforço?

Figueirense FC
Figueirense FC


Márcio Goiano comandou, nesta quarta-feira, seu 9º jogo à frente do Figueirense desde o retorno, em fevereiro. Está invicto há duas rodadas, ambas com ajuda da arbitragem e um futebol horroroso.


Exceto no Clássico, o time não apresentou sequer 15 minutos de alguma inspiração ou qualidade. Também por isso, o trabalho do treinador é questionado. Quem viu o Figueirense de 2010 e 2012 está apavorado.


Mas é justo criticá-lo tanto? Sim e não!


Sim, porque o time não demonstra evolução. Não há jogadas trabalhadas, organização, toque de bola. Nada!


Não, pois, desde que chegou, o Figueirense não contratou um único jogador. Pelo contrário: Zé Love e Josa se machucaram, Everton foi dispensado, Juliano ficou um mês no DM. E a solução encontrada por Goiano (apostar na base) não é a mais indicada para esse momento tão difícil.


Com um grupo de qualidade horrível (o pior desde 1999), o treinador precisa fazer milagre ou ser extremamente feliz em suas apostas (caso do Brusque do Pingo) para conseguir apresentar o mínimo de futebol. Não tem sido o caso de Márcio Goiano. Além disso, o comandante é forçado a mexer no time a cada rodada. Com pouco tempo de casa, fica complicado dar padrão.


Por sua história como jogador e treinador, acredito que é preciso mantê-lo e dar qualidade na Série B a quem já mostrou competência. Aliás, esta palavra precisa voltar ao Departamento de Futebol e espero que a chegada de Carlos Arini na sexta-feira traga boas novidades ao torcedor.


Com esse grupo, nem o Tite!