Bandeiras voltarão ao Scarpelli na Série B

Em Santa Catarina, nada pode. Cerveja e bandeiras são proibidas pela PM, com anuência das autoridades jurídicas e do futebol. Porém, esse cenário tem data para mudar: de acordo com informações da Rádio Bandeirantes, no final de semana, as bandeiras com mastro, sinalizadores, faixas e batuques devem ser liberados para o Campeonato Brasileiro.


Uma vitória do futebol!


No sábado, todos estes elementos comuns nas arquibancadas até o início dos anos 2000 estiveram no lado de fora do estádio Orlando Scarpelli, onde diversos torcedores protestaram contra a diretoria do Figueirense. O mote da iniciativa era não entrar para a partida diante do Almirante Barroso, como forma de mostrar a insatisfação.


Com público diminuto, quem viu o jogo pela TV ou acompanhou in loco pôde ouvir o foguetório do lado de fora. Também foram vistas as bandeiras com mastros e a fumaça que tanto embelezam a festa do futebol, mas que dessa vez serviram para o protesto.


Sobre a ação da torcida, sou favorável. Não é ela a culpada pela péssima gestão. Aliás, a atual diretoria, que ao longo dos anos deixou seu torcedor de lado, agora sofre com públicos ridículos. O dinheiro do apaixonado foi trocado pelo dinheiro de empresários, negociatas obscuras etc.


Sobre a volta das bandeiras e demais artefatos, considero legítimo, pois o futebol, além de esporte, é entretenimento, festa e tem seus elementos próprios. A cerveja, no entanto, ainda continua proibida em Santa Catarina, apesar de projeto de lei na Assembleia Legislativa.


Figueirense FC
Figueirense FC

Torcida do Figueirense fazia espetáculos com as bandeiras (hoje proibidas)


Os fracos públicos, principalmente no nosso estado, também ocorrem pela proibição de tudo. Quem vai sair de casa para sentar numa cadeira ou arquibancada dura, sem poder tomar um copo de cerveja e ver muitas vezes um espetáculo de gosto duvidoso por um preço caro? Poucos...


No cinema, por exemplo, com ingresso mais barato, há conforto (ar condicionado, estacionamento, poltrona), mas falta aquela "paixão" do futebol.


Esta festa, para muitos que vivem atrás de uma mesa num gabinete amplo, precisa também ser abolida dos estádios ou ficar atrás de uma televisão. De preferência com jogos de times europeus, pois aí ninguém faz troça do adversário no dia seguinte.


Que sejam bem-vindas as bandeiras, fumaça, faixas e todos os elementos que tornam o futebol um verdadeiro espetáculo.