Cruzeiro precisa de mais apoio e paciência

Thomas Santos/Agif/Gazeta Press
Thomas Santos/Agif/Gazeta Press

Ariel está apontando pra você! Você mesmo que o critica sem necessidade. Cabeção!


Argentino, líder em desarmes na temporada, passe refinado e experiente. Ou, se preferir, preguiçoso, lento e não marca. Ariel Cabral possui bons atributos para cativar a torcida cruzeirense, mas, inexplicavelmente, grande parte segue contra o meio campo no time titular.




 
Exigente com títulos, bons jogadores e atuações, a China Azul outrora “fechada” com o time recém-derrotado pelo rival, confunde tal exigência com a antipatia e gera uma cobrança desnecessária nas costas do jogador. Chega a ser contraditório a torcida que, com certa razão, reclama de pautas duvidosas de parte da imprensa mineira, minar um jogador como fazem atualmente com Ariel.


Com um excelente elenco, classificado por grande parte dos comentaristas como um dos favoritos aos títulos disputados na temporada, o Cruzeiro começa 2017 com 12 vitórias e 1 empate, invicto (na série A, só o Flamengo também segue sem perder), misturando grandes atuações com jogos menos produtivos. Variação natural e números excelentes em um começo de temporada onde disputa Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Primeira Liga.


Ariel Cabral é só a ponta do iceberg que se aproxima do navio cruzeirense. Não é hora de cobranças excessivas, seja com Mano Menezes ou com jogadores em especial, como é o caso do meia citado. O Cruzeiro tem aproveitamento semelhante ao de 2013, quando a torcida abraçou e empurrou o clube rumo ao título brasileiro. Jogadores presentes na conquista exaltaram sempre a nossa postura naquele ano.


O time de 2017 pode até decepcionar no final, mas o futebol apresentado gera esperança e já é melhor que dos últimos anos. Se honrar as expectativas, levará ao menos um grande título no ano. Para isso, a mudança de postura da torcida é fundamental. Paciência e apoio deveriam ser o nosso mantra no começo do ano.