Desconfiança e crítica: nada disso para esse gigante chamado Cruzeiro

GazetaPress
GazetaPress

55 mil corações pulsando na mesma sintonia


Tenho escutado de tudo nessas últimas duas semanas: que o Cruzeiro seria atropelado pelo Grêmio, que não sobraria nem o pó! “Só uma catastrofe para tirar a vaga do Grêmio”, diziam. “Apenas o imponderável para evitar a presença do time gaúcho na final”, bradaram. E o Cruzeiro foi o imponderável!


Caros, aprendam de uma vez por todas: esse manto é gigante demais, do tamanho da constelação do Cruzeiro do Sul, dos títulos que conquistamos ao longo de quase um século de glórias. Não subestimem o Cruzeiro, ele nunca morre, ressurge nos momentos de superação para calar os críticos, os descrentes, os tolos.


O tal imponderável é da natureza do Cruzeiro, nunca duvidem. Não se enganem pelo momento, o Cruzeiro não se resume a uma temporada ruim, ele é eterno assim como seu exército de torcedores que o fez gigante e temido. Essa torcida que abraçou o time e o carregou no colo com carinho, amparando e acreditando que seria possível, se fez presente na forma de 55 mil guerreiros incansáveis e vibrantes.


Washington Alves/Cruzeiro
Washington Alves/Cruzeiro

O imponderável na testada do Hudson


Obrigado a quem não acreditou, porque nos deu estímulo. A quem nos derrotou, porque nos deu força de reação. A quem riu da gente, porque nos deu a chance de revanche. A quem nos ignorou, porque agora nos conhecem. Prazer, Cruzeiro!


Obrigado diretoria, técnico, jogadores, torcida. Obrigado futebol por me fazer ainda sonhar. E obrigado Cruzeiro por me fazer viver esse sentimento. Tenho orgulho de vestir suas cores e defender essas estrelas.

Agora engulam essa classificação com toda a arrogância com que menosprezaram o Maior de Minas. Quem tá na final não é o badalado Palmeiras, ou a sensação Grêmio, é o gigante Cruzeiro, tetracampeão brasileiro e da Copa do Brasil. E se depender da nossa vontade, da nosso força e da nossa tradição, o próximo penta nacional.


Salão de festas? Humpf! Respeitem essa camisa, infiéis!