Resumo do Clássico: Fabio não pula, Caicedo não marca e Mano não cai

Fico imaginando o que passa na cabeça do jogador sabendo que, depois do jogo, tem 3 dias de férias para passar longe da 'estenuante' rotina de treinos da Toca. Eu não sei vocês, mas eu no mínimo procuraria não me machucar, eventualmente me poupar de grandes esforços e talvez nem estaria com a cabeça no jogo.


Mas, enfim, quem sou eu para discutir as decisões do prestigiado departamento de futebol do Cruzeiro? Lá certamente devem saber o que fazem. Afinal, o Cruzeiro vive em ótima fase e que mal tem liberar os jogadores para uma merecida folga de três dias? Que mal teve poupar dez jogadores no jogo contra a Ponte visando justamente os jogos mais complicados contra o Palmeiras e Atlético? Resultado: 6 gols tomados e apenas um empate em dois jogos.


É isso ai, Departamento de Futebol do Cruzeiro! Você acertô, mizeravi! Assim como acertou quando comunicou os 3 dias de folga antes do jogo mais delicado para todos nós cruzeirenses, o Clássico. Talvez você não saiba, mas não há apenas 3 pontos na disputa. Há rivalidade, tradição, a transpiração e a inspiração de muito jogador que fez de Cruzeiro X Atlético o maior clássico do país. Jogadores sem um décimo do salário dos de hoje, que se doavam em campo, venciam de forma heroica ou se lamentavam profundamente nas derrotas.


Mas hoje é #PartiuFerias haja o que houver.


A impressão que dá é que o Cruzeiro ficou sem comando, um barco à deriva, sem alguém para cobrar empenho, todos ocupados com outros assuntos que não sejam o Cruzeiro. Enquanto isso, Mano vai mandando e desmandando a seu bel prazer, insistindo em apostas erradas por pura teimosia.


A dupla de zaga Leo e Caicedo vem errando sistematicamente todo jogo. Estiveram presente em todas as nossas derrotas mais significativas, como a perda do Mineiro e a desclassificação da Sul-Americana. O Fábio nem comento para não provocar a ira de seus fãs, mas seus golpes de vista já não são surpresa para ninguém.


Sóbis e Thiago Neves mais uma vez pecaram no quesito liderança. Neves ainda faz um gol ou outro, tem números razoáveis, uma boa técnica, isso ninguém discute. Mas um cara com toda essa experiência e esse talento deveria contribuir com algo a mais, ser a verdadeira referência do time. Definitivamente não é um líder.


GazetaPress
GazetaPress

Contra o Palmeiras o time morreu depois de 45 minutos, contra o CAM, depois de 25. E no próximo jogo?


Já estamos em julho e Mano não apresenta um padrão. Está mais que comprovada sua incapacidade de transmitir sua filosofia a jogadores cada vez mais descompromissados. Se o lema do Mano era ‘defender para não tomar gols’, os 9 gols tomandos em 3 jogos colocam para baixo qualquer justificativa. Está na hora do Mano dar lugar a outro treinador.


Mas vamos cobrar de quem, se no Cruzeiro não existe mais comando? Fica aqui minha dúvida.