Cada vez mais seguro, Rafael já superou o mestre?

Para dizer a verdade, Rafael deixou de ser surpresa já faz algum tempo. Com 15 anos de clube, sombra do Fabio desde 2008, Rafael fez seu primeiro jogo em 2010, ganhando os elogios do Cuca, treinador do Cruzeiro na época.


Leia mais: Jovém Rafael substitui ídolo Fabio e agrada Cuca

Ele também esteve presente num dos momentos mais delicados da recente história celeste, fechando o gol naquele 6 a 1 histórico que garantiu a permanência do clube na primeira divisão e ajudando o Cruzeiro a manter a fama de ‘incaível’. Os atleticanos sofrem até hoje com a zueira do 6 a 1 eterno, goleada esta que existiu de verdade, com direito a súmula e vídeos no Youtube.


Substituir um ídolo não é fácil. Ainda mais num momento tão complicado para o clube, a um passo de viver seu pior capítulo da sua história, ao ser rebaixado pelo maior rival. Alí Rafael dava amostras de que estaria pronto assim que surgisse a oportunidade. E ela apareceu ano passado, quando Fabio teve de se afastar por conta de uma grave lesão no ligamento cruzado do joelho direito.


Desde então, Rafael vem fechando o gol esbanjando segurança e tranquilidade. Sobre ele não pesam os olhares de milhões de cruzeirenses, órfãos de um grande ídolo e exigentes por natureza. Tarefa complicada, goleiros demoram anos para conquistar a simpatia da torcida. O próprio Fabio só virou ídolo depois de 3 anos de clube e até então era altamente contestado. Para Rafael, o processo foi bem mais rápido, precisou ser rápido.


Confesso que era contra sua efetivação, por puro preconceito. Não via nele um líder. Assim que Fabio se lesionou, manifestei meu desejo de ver um goleiro mais experiente no gol, alguém que transmitisse segurança à zaga. Ledo engano. Rafael fez churrasquinho com minha língua.


Hoje, Rafael é o principal goleiro de um dos maiores clubes do Brasil, sem alarde, de um jeito bem mineiro, conquistando seu lugar ao sol com suas defesas impecáveis. Sem clubismo, está entre os 3 melhores goleiros do Brasil. Seria uma pena se Tite não perceber.


GazetaPress
GazetaPress

Vitória magra, graças também às defesas complicadas do goleiro Rafael


Já prestes a atingir a importante marca de 100 presenças, Rafael agora divide as opiniões. Na volta de Fabio, quem vai ser o titular do gol celeste? O ídolo ou o aprendiz que superou o mestre? Que dúvida cruel!


Saluti Celesti