Sargento Balbuena: o comandante da melhor defesa do Brasil

Gazeta Press
Gazeta Press

Mais uma vez, Balbuena foi fatal no jogo aéreo


Quem imaginava que, um ano após uma temporada muito irregular no Corinthians, o zagueiro Fabián Balbuena daria a volta por cima e se tornaria peça-chave no elenco invicto no Campeonato Brasileiro?


Muitos diziam que o começo da boa sequência corintiana em 2017 se devia ao futebol do recém-chegado Pablo, porém, todos que criticaram a qualidade do paraguaio Balbuena estão arrependidos. Hoje ouso dizer que Balbuena tem sido mais importante e efetivo que Pablo, principalmente por sempre estar disponível para os jogos e por quase nunca se lesionar.


Seguro, raçudo e taticamente imprescindível, Balbu (como é chamado carinhosamente pela Fiel Torcida) tem tudo para se tornar o segundo zagueiro paraguaio com status de ídolo no Timão, assim como seu compatriota Gamarra, talvez o maior defensor da história recente corintiana.


Além de muito preciso na marcação, Balbuena resolveu se arriscar na carreira de artilheiro e hoje já possui a mesma quantidade de gols que o TODO BADALADO Borja, atacante colombiano que custou mais de R$30 milhões aos cofres da Dona Leila e sua Crefisa. Ainda por cima, os gols de Balbu são extremamente decisivos: contra o Cruzeiro e contra o Fluminense, o zagueirão fez os únicos gols das partidas, dando de lambuja 6 pontos de presente ao Timão. É pouco ou quer mais?


E como se fosse preciso mais alguma coisa, Balbuena ainda é fã de rock n roll e fechou as costas com uma enorme tatuagem de um gavião. Ainda por cima, o atleta foi um dos convidados do mês de junho do RESENHA ESPN e entoou o canto “É sangue no olho, é tapa na orelha, é o jogo da vida, o Corinthians não é brincadeira”, ao vivo e a cores para todo o Brasil. Tem pouca identificação com o Timão?


O Corinthians, além de invencível no Brasileirão, não sofreu gol em 26 jogos na atual temporada. Mérito total de Balbuena e seus companheiros, que conseguiram criar um sistema tático planejado por Fábio Carille em que damos a bola para o adversário, mas ele não consegue fazer absolutamente NADA com ela.


Portanto, faço aqui uma promessa para toda a Fiel Torcida que nos acompanha aqui no blog: se nos consagrarmos campeões do Brasileirão, comprarei uma camiseta número 4, com o nome do Balbuena. Ele merece, nós merecemos.


Siga a página no Facebook: Paixão Maloqueira