Chelsea terá de reaprender a disputar a competição mais desejada pelos gigantes da Europa

Divulgação/Chelsea
Divulgação/Chelsea

Grupo C é o mais equilibrado desta edição da Champions


Após calar Camp Nou e Allianz Arena há cinco anos, parecia que as próximas edições da Champions League seriam um mar de rosas para o Chelsea - afinal, o clube alcançou o inacreditável em 2012. Não que fôssemos uma potência a ponto de ganhar tudo, mas era de se esperar que os Blues fossem figurinha carimbada ao menos nas fases eliminatórias, assim como são geralmente Real Madrid, Barcelona, Bayern de Munique e Juventus.



Curta o Pride of London no Facebook



Quando, em 2012/13, caímos num grupo com Juventus (de Antonio Conte), Shakhtar Donetsk e Nordsjælland, a vaga era questão de tempo, nem que o Chelsea se classificasse em segundo. O empate em casa contra a Vecchia Signora, no entanto, praticamente decretou a eliminação na fase de grupos. Banho de água fria para aquela equipe, que teve de se contentar com a Europa League.


Desde então, as participações na Champions foram tímidas - eliminações para o Atletico de Madrid nas semifinais e nas oitavas diante do Paris Saint-Germain.   Tudo isso é passado - o momento agora é outro e os jogadores são outros, assim como o treinador.


Portanto, como em qualquer recomeço, o Chelsea terá de reaprender a disputar a competição mais desejada pelos gigantes da Europa, e nada melhor do que cair num grupo equilibrado. 


Getty Images
Getty Images

Totti não pareceu tão contente ao saber que a Roma será adversário do Chelsea...


Caso o Chelsea caísse num grupo com adversários teoricamente mais fáceis, as prováveis goleadas esconderiam as deficiências do time e dariam uma falsa impressão de que o clube estaria preparado para as fases mata-mata - e aí, meu amigo, o choque de realidade é grande em caso de eliminação. 


O grupo C, formado por Roma, Atlético de Madrid e Qarabag, é o mais equiilbrado dentre os demais. Por mais que muitos já apontem os Blues e os Colchoneros como os favoritos à classificação, a Roma é o clássico exemplo de adversário traiçoeiro, já que ninguém bota muita fé, mas pode surpreender - afinal, todos sabem que enfrentar os italianos no Olímpico de Roma é tarefa complicada. O Qarabag, coitado, corre bem por fora, mas vai que...


Conhecidos pelo estilo de jogo mais retranqueiro, ainda que o termo soe vulgar para definir o futebol de Atlético, Chelsea e Roma, os embates entre as equipes serão duríssimos - resultados apertados, placares com um gol de diferença e provavelmente muitos empates deverão marcar o grupo C e a definição provavelmente virá somente na última rodada da fase de grupos. 


A Champions será o verdadeiro teste para o Chelsea na temporada. Já sabemos onde essa equipe pode chegar numa Premier League, mas terá elenco suficiente para aguentar as fases eliminatórias? Como os Blues se comportarão contra equipes com estilo de jogo semelhante?


É tudo uma incógnita para esta temporada. No fundo, sabemos que o clube pode chegar longe, mas é somente com a bola rolando que conheceremos o real potencial desse time. Por via das dúvidas, melhor já lidar com a dificuldade logo de cara do que se iludir com goleadas enganosas.