Brasil 0 x Inter 1: como explicar o inexplicável?

“Há algo de podre no reino da Dinamarca” ou “se vocês soubessem o que aconteceu antes de Brasil 0 x Inter 1 ficariam enojados”. Escolha uma e busque, em vão, arranjar explicação para a derrota rubro-negra em pleno Bento Freitas no último sábado. Não o resultado em si, mas a forma como tudo aconteceu.



Clique e curta a página Xavante da Baixada no Facebook



A escalação antes da partida foi surreal, de desmotivar qualquer um. Com apenas quatro (QUATRO!!!!) titulares o Brasil entrou em campo para o fraco, diga-se, time do Internacional de Porto Alegre. As explicações são muitas, e parte delas podem ser reais, mas é muita coincidência negativa. 


As ausências esperadas eram a do zagueiro Evaldo, suspenso, e do Marlon, lesionado, mas perdemos muito mais. Não tivemos também o outro zagueiro, o ótimo Leandro Camilo. O goleiro Eduardo Martini, uma das lideranças, sequer ficou no banco. Enfim, caos completo e inesperado. Foi uma bomba arrasa quarteirão que explodiu horas antes do duelo.


Divulgação/assessoria GE Brasil
Divulgação/assessoria GE Brasil

Contra o Juventude, cinco dias antes: Eduardo Martini; Wender, Leandro Camilo, Evaldo, Marlon; Itaqui, João Afonso, Wagner; Rafinha, Bruno Lopes, Lincom


Para variar, fomos para o jogo em posição desfavorável. E historicamente é assim, seja porque o adversário é um dos gigantes do futebol brasileiro, seja porque o nosso time geralmente é muito mais fraco.


Porém, nesta Série B, tendo em vista a situação do colorado e o bom e competitivo time Xavante, além do fato de a partida ser realizada no estádio Bento Freitas, tudo fazia crer que o tabu poderia, finalmente, ser quebrado.


Não foi.


Só em 2017 o Internacional acumula três vitórias em três jogos contra o Brasil. Será que nos transformamos em salva-vidas do vermelho da capital gaúcha?