Quanto vale a Primeira Liga para o Xavante?

Em sua segunda edição, a competição que nasceu com o objetivo de unir clubes para enfrentar as suas respectivas federações e a própria CBF ainda não empolgou -  e talvez nunca o faça  -  por ter “traído” alguns de seus ideais logo no início


Para o Xavante, único representante do interior gaúcho no certame, quanto vale de fato a Primeira Liga?


Vale muito.


Divulgação/assessoria GE Brasil
Divulgação/assessoria GE Brasil

Participação foi celebrada nas mídias sociais do clube


Afinal, “enfrentar o sistema” o Brasil-RS e os demais clubes ditos menores (especialmente os localizados fora dos grandes centros) já o fazem na prática, diariamente e a cada nova partida. Dentro do próprio campeonato brasileiro Série B, o Xavante está envolto por muitos clubes de capitais com torcidas que superam a casa dos milhões.


Logo, estar entre os 16 clubes participantes da Primeira Liga não é ruim. É, na verdade, uma oportunidade. Em troca, o Xavante oferece como “produto” à competição a sua ascensão nacional e a própria torcida rubro-negra, reconhecida pela paixão que aplica ao clube.


No fim das contas, o Brasil fornece à Liga o que ela se propôs inicialmente: ser rebelde, esse sentimento de não se curvar aos grandes. É o que o clube dos Negrinhos da Estação tenta (e muitas vezes consegue) fazer há mais de cem anos dentro do cenário gaúcho e brasileiro.


Segundo o próprio presidente Xavante, Ricardo Fonseca, os cofres do clube vão receber pouco mais de R$ 600 mil, além de outros patrocínios, por participar da Primeira Liga. A visibilidade também aumenta e é outra arma, pois significa mais jogos na tevê, mais vitrine, é mais vezes o distintivo rubro-negro sendo exibido em rede nacional.


Apesar de tudo isso, é visível que o Brasil não faz da Copa da Primeira Liga a sua prioridade. Não faz porque simplesmente não pode. É ainda um clube do interior em reestruturação. As categorias de base foram retornar recém em 2017. O elenco atual não é grande — possui apenas 24 jogadores- e o campeonato gaúcho exige dedicação total, senão corre o risco de ser rebaixado em uma competição com apenas 12 clubes (sendo dois a dupla Gre-Nal). Não é mole.


Divulgação
Divulgação

16 clubes disputam a Primeira Liga; destes, apenas cinco são do interior


A Copa da Primeira Liga até agora não honrou o seu objetivo, é verdade. Talvez pouco (ou quase nada) represente atualmente aos clubes da Série A — veja pela forma como escalam para os jogos. Porém, dentro do contexto Xavante, ela funciona porque fornece mais recursos para que ele enfrente as próprias desigualdades. E são muitas.


O Brasil decide o seu futuro com o Fluminense. Ambos têm três pontos, mas o clube rubro-negro precisa vencer pois perde nos critérios de desempate. Ainda não há data definida para o confronto.