Flamengo 0-0 Botafogo: empate com sabor de derrota

O placar não saiu do zero para ambos os lados, mas o botafoguense, infelizmente, tem muito mais o que lamentar do que o flamenguista. Além de desperdiçar a melhor chance de gol da partida, o alvinegro também perdeu Victor Luis e Aírton por lesões - o segundo ainda mais preocupante, aparentando fratura semelhante à de Luis Ricardo.


O Botafogo não fez um bom jogo. Embora bem postado, a falta de criatividade e de velocidade fez com que o Glorioso povoasse muito pouco o campo de ataque e não atingisse o ritmo necessário na transição dos contra-ataques. O resultado foi Roger isolado e os extremos participando muito pouco da partida. 


Ainda assim, o Alvinegro teve duas grandes chances de vencer a partida - ambas com Roger. O camisa 9, no entanto, não mostrou a mesma tranquilidade do tento marcado contra o Sport e desperdiçou: primeiro, em boa defesa de Muralha, ainda no primeiro tempo; depois, em chance cara a cara com o goleiro adversário, chutando para fora e levando a torcida à loucura. 


Satiro Sodré / SS Press / Botafogo
Satiro Sodré / SS Press / Botafogo

João Paulo não conseguiu render como meia e errou passes demais


O rival também criou chances com Éverton e o bom garoto Vinicius Jr. Na reta final da partida, o Botafogo sentiu o cansaço da maratona de decisões que vem enfrentando e afrouxou a marcação, descompactando as duas linhas de quatro e dando espaço ao adversário - que, também sem inspiração, não aproveitou.


O saldo, no fim das contas, foi negativo. Embora tenha jogado mal, desperdiçamos o gol do jogo e ainda perdemos duas peças importantíssimas. Agora, temos quase um time inteiro no departamento médico; a maioria por incompetência da fisiologia e da preparação física, outras poucas por fatalidade - como as de hoje. Isso preocupa demais, visto que teremos uma sequência de dois jogos por semana até agosto. Novamente, precisaremos nos reinventar. 


Resta agora torcer para que, pelo menos, a lesão de Victor Luís não seja grave. Desejo muita força ao guerreiro Airton em sua recuperação, que deve ser longa. Que possa renovar seu contrato, cuidar de seu problema e voltar a brilhar com nossa camisa. O clássico foi como uma típica manhã de domingo: melancólico e desanimado. Seguimos na luta. 


Notas


Gatito Fernández: 6
Pouco exigido na meta. Poderia ter caprichado mais nas reposições.


Arnaldo: 8
O melhor do time no clássico. Perfeito defensivamente e muita velocidade para puxar os contra-ataques. Deixou Roger na cara do gol. 


Joel Carli: 6,5
Resistiu bem à velocidade do Flamengo na maior parte do jogo. Novamente, levou amarelo bobo por reclamar. 


Igor Rabello: 7,5
Apesar da bobeada na chance de Éverton em suas costas, fez um jogo muito bom no geral. Bons cortes por cima e por baixo. Evolui a cada jogo.


Victor Luis: 6,5
Vinha fazendo um jogo correto até se lesionar em dividida com Arão. Esperamos muito que não seja nada grave e ele possa voltar o quanto antes, pois é um dos pilares deste time.


Airton: 6,5
Outro que vinha tendo atuação satisfatória, tentando acertar os vários erros do meio-campo. Sua lesão é muito preocupante e o diagnóstico não deverá ser nada positivo. 


Matheus Fernandes: 6
Começou bem, mostrando a personalidade que tinha nos jogos da base. Conforme o tempo passou, foi apagando em campo. Tem muito mais a mostrar. 


Bruno Silva: 5,5
Embora correto defensivamente, esteve muito abaixo do que pode apresentar. Pareceu desligado, talvez pelos problemas extracampo que vem enfrentando. Precisa colocar a cabeça no lugar e focar no Botafogo, pois precisamos do seu futebol.


Rodrigo Pimpão: 5
Mostrando cansaço, foi apático e não conseguiu ser a válvula de escape e velocidade da linha central. Sem seu futebol, que é muito importante, o ataque não funcionou. 


João Paulo: 4
Sua pior atuação com a camisa do Bota. Errou muitos passes, assim como todo o time, e não funcionou na função de armador. Não conseguiu organizar jogadas ofensivas e entregou a posse de bola pro adversário muitas vezes. 


Roger: 4,5
Centroavante que perde as duas chances de matar o jogo não pode ter nota alta. Até se movimentou bem nas duas jogadas, mas não pode desperdiçar um gol como aquele. 


Gilson: 6
Atuação correta ao substituir Victor, machucado. 


Dudu Cearense: 5,5
Mais uma vez, faltou explosão para conseguir acompanhar o ritmo do jogo. Meio-campo perde força quando ele entra, embora saiba jogar com a bola nos pés.


Joel: sem nota
Sem futebol, sem qualidade, sem nota, sem explicação.


Jair Ventura: 6,5
Fez o que pôde. Diante de todos os problemas para montar o time, ao menos manteve a força tática e conseguiu se defender sem passar tanto sufoco. Sem peças de velocidade e criatividade no banco, não pôde mudar o panorama. Precisa de contratações e de um departamento médico que trabalhe com um mínimo de qualidade. 


| Seja sócio-torcedor Sou Botafogo


| Siga-me no Twitter: @pedrochilingue