Castro, o leão de treino que não tem mais lugar no Borussia

Leão de treino é o termo que se usa para o atleta que treina em um ritmo muito forte e com um volume tão grande que, ao chegar em provas ou partidas oficiais, o desempenho é sempre dos piores. Seria Gonzalo Castro o maior leão de treino da história recente do Borussia Dortmund?


Getty Images
Getty Images

Decepção em campo, Castro é o destaque negativo do time nesse início de temporada


Titular incontestável com Peter Bosz, Castro é o único do setor ofensivo que nunca é substituído quando o time não rende - além de Aubameyang, que por motivos óbvios é exceção. Na derrota para o RB Leipzig o jogador foi novamente utilizado por 90 minutos, mesmo com mais uma atuação medíocre. 


Só o fato de ser incansável nos treinamentos explica o fato do meia ainda não ter sido sacado da equipe. Esse é o único argumento possível para que alguém que renda tão pouco em campo seja tão blindado pelo técnico.


Mario Götze aos poucos recupera a melhor forma e tem mostrado em campo que, quando bem fisicamente, é talvez o melhor da posição no atual elenco. Adaptado ao time, Mo Dahoud também sobe de rendimento a cada partida. Shinji Kagawa fez partidas decentes quando recebeu oportunidades e também é uma opção subutilizada.


O retorno de Weigl aos 100% de sua capacidade dá ainda a opção de adiantar Sahin. Pouco convencional, mas compreensível se Bosz quiser preservar a característica do time com Gonzo Castro: menos velocidade, mais bola longa. E Nuri tem ainda uma chegada na área e chute de média e longa distância melhores do que o camisa 27.


Divulgação/Borussia Dortmund
Divulgação/Borussia Dortmund

Pouco explica a superproteção a Castro entre os titulares


O único fator (único mesmo) que pesa a favor de Castro é a dedicação exclusiva. Götze ainda não está pronto para atuar sempre e por 90 minutos, Mo Dahoud é constantemente convocado e titular da Seleção Alemã U21; o mesmo ocorre com Sahin na Turquia. Shinji Kagawa, além das partidas, tem as desgastantes viagens para a Ásia. Castro é o único que só tem o Borussia Dortmund na rotina.


Isso nos leva a crer que Castro é destaque absoluto nos treinos. Mesmo porque, se não o fosse, dificilmente seria titular. É um dos mais improdutivos quando o time tem a bola e ineficiente na marcação, ainda assim parece ser o correspondente do técnico em campo.


Existe uma teoria não comprovável de que todo técnico bom e de personalidade forte tem a cota de um jogador horrível no time. Parece que o escolhido de Bosz é Castro, mas tomara que seja por pouco tempo. Eu não aguento mais, e você?



Curta a página do blog Muralha Amarela no Facebook


Siga @muralhaamarela e @wpaneque no Twitter