Robben, Lewandowski e o clássico impossível

Mudei de ideia sobre o que foi o clássico. O Borussia Dortmund não foi tão péssimo quanto o placar indica e a culpa não foi dos desfalques. O Bayern de Munique construiu o placar largo porque foi infinitamente superior nos 90 minutos.


O meu ponto é que, assistindo aos melhores momentos e de cabeça fria, o Dortmund me pareceu muito melhor do que a impressão que tive ao vivo. Na verdade, o time até fez o possível para se segurar tendo em vista as circunstâncias. O problema é que o Bayern de Munique estava imparável.


Pode ser que estivesse motivado pela derrota diante do Hoffenheim e afim de evitar novo tropeço. Ou quem sabe então para recuperar a confiança antes do difícil duelo da Champions, ou só pelo simples objetivo de bater o maior rival dos últimos anos. O fato é que o Bayern jogou como poucas vezes antes na temporada.


Getty Images
Getty Images

Parar Robben foi uma missão ingrata para a defesa do Borussia


Acho muito fácil condenar o Borussia Dortmund pela derrota. O oportunismo de pisar no trabalho bem feito por Tuchel por causa de um jogo cheio de desfalques contra o melhor da liga é dispensável. O Dortmund não foi bem, mas às vezes a derrota é puro mérito do adversário. Aqui temos um desses casos.


Schmelzer disse em entrevista após o jogo que a derrota foi importante como experiência aos garotos que poucas vezes atuaram em duelo de tão alto nível. Curioso e irônico como o próprio lateral foi quem pareceu um juvenil diante de Robben.


O que o Dortmund fez no primeiro turno foi encaixotar um time ainda em formação e aproveitar as chances criadas. OK, até aí podemos concordar que desta vez teve um aproveitamento baixíssimo no ataque, mas foi presa fácil na defesa. Lewandowski atualmente é o melhor 9 do mundo e jogou como tal. O Dortmund não teve chance.


Se o Bayern não tivesse Champions League no meio de semana teria feito mais. Não é pessimismo, é a lógica. Boateng e Martínez anularam Aubameyang, Thiago comandou o meio e Robben conseguiu definir todas as jogadas em que partiu pra cima da marcação. Não é o erro individual, não é a sorte ou azar, é o jogo. E o Bayern gabaritou.


Getty Images
Getty Images

Lewandowski marcou dois gols e ultrapassou Aubameyang na artilharia


Digo isso para chegar no seguinte ponto: toda vez que tentam colocar Bayern e Dortmund em um mesmo patamar e um placar desse acontece, resta a frustração. Quem espera um duelo de iguais estará sempre torcendo pelo improvável. Porque o fato é que o Dortmund não está e dificilmente vai estar na mesma altura do Bayern em 3 de cada 4 encontros. 


Entendo os apaixonados que sonham em bater de frente, e admito que isso é possível Mas não todo dia. Este sábado não foi um desses dias.


Aos saudosistas da Era Klopp, um forte abraço, mas não é a hora de sair da casinha. Como todos os defeitos que cada um tem, não troco Tuchel por Klopp em nenhum dia da semana, mas isso é assunto pra outra hora.



Curta a página do blog Muralha Amarela no Facebook


Siga @muralhaamarela e @wpaneque no Twitter