Lanús 0-1 Boca: lutar, pelear e ganhar

O final de semana na Argentina não estava para bom futebol. As fortes chuvas castigaram diversos campos pelo país e a bola não rolou como gostaria. E para conquistar os três pontos numa cancha já difícil de se jogar, era preciso deixar um pouco mais. E assim foi feito.


O Boca tentou sempre ser protagonista em sua viagem ao sul de Buenos Aires. Alguns jogadores acabavam de ter voltado de suas seleções e, fisicamente, isso pareceu fazer diferença em um campo mais pesado. Ainda assim, com esforço, Cardona acertou um tiro no travessão para quase abrir o placar contra o Lanús. 


Com a estreia de Nández, que entrou no segundo tempo, o Boca ganhou maior mobilidade. O yorugua parece que tem todas as condições e características pra ganhar o coração da torcida e o respeito da comissão técnica. De qualquer forma, o bom futebol do time parece sempre depender de Gago. Quando o capitão não está bem, o time não está bem.


O jogo parecia se encaminhar para um zero a zero em que o ponto não seria de todo mal. Até aparecer o goleador do costume. Pipa Benedetto, com a frieza dos grandes camisas 9, dominou no peito dentro da área e afundou a bola no barbante. Um golaço do goleador do ano. Uma resposta a quem o criticou na Seleção Argentina. Agora já são 28 gols em 32 jogos oficiais, uma média de quase 0,90 gol por jogo. Uma bestialidade!


De ontem destaca-se exatamente o que disse o técnico Guillermo Barros Schelotto. O Boca tentou ser protagonista, mesmo que, pelas condições, fosse difícil colocar o seu jeito de jogar em campo. Mas lutamos, peleamos e ganhamos. O atual campeão já é o líder do campeonato.