Benfica 0-2 Basel: a Champions League acabou, graças a Deus

Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Benfica foi derrotado pelo Basel por 2 a 0, em pleno Estádio da Luz, e encerrou a Uefa Champions League com 0% de aproveitamento


A derrota de 2 a 0 para o Basel em pleno Estádio da Luz sentenciou a pior campanha do Sport Lisboa e Benfica na maior competição interclubes do futebol europeu. Cabeça-de-chave do Grupo A, a equipe mais vitoriosa de Portugal encerra sua participação na edição 2017/2018 da Uefa Champions League com seis derrotas em seis jogos, apenas um gol marcado e 14 sofridos. O aproveitamento de 0% não condiz com a grandeza de quem tem duas conquistas europeias, além de uma Taça Latina, e já foi finalista do continente 13 vezes, contando com as três decisões jogadas na Copa da Uefa/Europa League.


Esta foi a pior campanha de uma equipe portuguesa na Champions e, também, a 20ª vez que um clube encerrou a fase de grupos da UCL sem pontuar. É difícil dimensionar o tamanho e o peso de um saldo tão negativo para um clube com uma história tão rica. A gente tenta fingir que este retrospecto não existiu, tenta rasgar esta página... Mas não dá. Os erros estão aí, expostos como uma ferida aberta, e têm de ser corrigidos. Falhas que quem acompanha o Blog Glorioso Encarnado já está cansado de saber. Basta reler as crônicas de Benfica 1 x 2 CSKA Moscou, Basel 5 x 0 Benfica, Benfica 0 x 1 Manchester United, Manchester United 2 x 0 Benfica e CSKA Moscou 2 x 0 Benfica.


O contexto do jogo desta terça-feira (5) foi o mesmo dos outros: tomou o gol, acabou-se. Poder de reação, criação e conclusão nulos. A falta de motivação era nítida no rosto dos jogadores. Afinal, como entrar em campo sabendo que tudo já estava perdido? Não vivemos mais a fase "romântica" do futebol, na qual jogar pela honra bastava.


A falta de entrosamento, uma consequência da renovada formação promovida pelo técnico Rui Vitória, também freou a equipe na sua despedida da prova-rainha dos clubes do Velho Mundo. Destaque para os jovens meias João Carvalho, Zivkovic e Diogo Gonçalves. No segundo tempo, a grande novidade foi o atacante brasileiro Gabriel Barbosa.


Apesar do sangue novo no lado encarnado, o Basel conseguiu controlar a peleja ao seu bel-prazer, e o Benfica se viu incapaz de impor uma dinâmica de jogo. Não era para menos. O escrete suíço jogava para confirmar a classificação ao mata-mata: uma vitória em Lisboa carimbaria o passaporte para a próxima fase sem a necessidade de secar o CSKA contra o United. E assim se fez: Elyounoussi e Oberlin deixaram seus nomes gravados na história da partida. E também na história do FC Basel, que superou dois campeões europeus - o CSKA Moscou já conquistou uma Copa da Uefa, não esqueçam - e agora marcha rumo às oitavas de final da Liga dos Campeões.


"Não há uma grande diferença em relação às outras equipes, mas não conseguimos materializar isso", disse Rui Vitória na conferência de imprensa. Muito pouco perto da satisfação que se deve à torcida...


Agora é hora de virar a página. Esse jogo não pode interferir na motivação de quem está a apenas três pontos do topo da Primeira Liga de Portugal. No próximo sábado (9), também na Luz, já tem compromisso com o lanterna Estoril, que certamente virá a campo com a intençaõ de dificultar a vida do maior campeão português, além da missão de fugir da zona de rebaixamento.


A esta altura, num momento que ainda é difícil processar tudo o que aconteceu com o SLB na Champions, só me resta dizer: acabou, graças a Deus.