Por que os playoffs da Uefa Champions League interessam ao Benfica

Getty Images
Getty Images

Na fase de grupos da Uefa Champions League 2015/2016, o Benfica viajou ao Cazaquistão para medir forças com o FC Astana


Em início de temporada no futebol europeu, os clubes correm contra o tempo para montar, quiçá fechar, o elenco ideal. E o dinheiro parece inesgotável no movimentado mercado de transferências. Esta época também é sinônimo de fases preliminares nas competições continentais. E elas interessam diretamente às equipes já garantidas na fase de grupos.


É importante avaliar as virtudes e os defeitos dos possíveis adversários, bem como as distâncias a serem percorridas em eventuais viagens. Uma boa maneira de continuar a acompanhar futebol e, também, de preencher o tempo de espera pelo sorteio o qual definirá as chaves dos certames internacionais.


Nesta terça-feira (22) e quarta-feira (23), serão realizados os jogos de volta dos playoffs da Uefa Champions League 2017/2018. É o quarto estágio eliminatório do maior torneio interclubes da Europa e o último passo antes da fase de grupos, cujo sorteio está marcado para quinta-feira (24).


Instalado na Península Ibérica, o Sport Lisboa e Benfica sabe, mais do que qualquer outro time grande da Europa, percorrer longas distâncias. Afinal, pertence ao Maior de Portugal e ao FC Astana, do Cazaquistão, uma das maiores viagens da história das copas europeias. Nada mais nada menos que 6.164 quilômetros - um pouco maior que a distância entre Palmas, capital do Tocantins, e Caracas, capital da Venezuela - separaram os Encarnados e os Azuis e Amarelos dos confrontos diretos pela fase de grupos da Uefa Champions League 2015/2016. Em Lisboa, a Águia não teve dificuldades e venceu por 2 a 0. Em Astana, o bicho pegou. Os donos da casa abriram 2 a 0 de vantagem; contudo, cederam o empate.


Getty Images
Getty Images

Benfica e Galatasaray em ação no Estádio da Luz, pela Uefa Champions League 2015/2016


Nessa mesma edição, o Benfica também viajou 4.081 km para defrontar o Galatasaray na Turquia. Um pouco superior ao percurso entre Cochabamba, na Bolívia, e Salvador, capital da Bahia. Em Istambul, perdeu por 2 a 1, de virada. Em Lisboa, venceu pela mesma contagem.


Em 2016/2017, os comandados de Rui Vitória retornaram a Istambul. Dessa vez, para medir forças com outro time da cidade, o Besiktas. As lembranças dos duelos com os alvinegros não são as melhores. Em solo português, empate em 1 a 1 cedido nos acréscimos. Em território turco, nova igualdade, por 3 a 3, cedida depois de construir uma larga vantagem de 3 a 0. Apesar dos pesares, quem carimbou o passaporte ao mata-mata foi a águia portuguesa, e não a águia turca.


Também na última temporada, o Glorioso viajou 4.147 km para encarar o Dynamo Kiev, e vice-versa. Venceu tanto fora quanto em casa, por 2 a 0 e 1 a 0, respectivamente.


E agora?


Getty Images
Getty Images

Equipe do Qarabag comemora gol contra o Tottenham em Londres, em partida da fase de grupos da Uefa Europa League 2015/2016


A distância Lisboa-Astana poderia se repetir, pois o FC Astana novamente marca presença na fase máxima das prévias da Champions League. Entretanto, e felizmente, é pouco provável que isso aconteça. Os cazaques viajaram 6.278 km rumo a Glasgow, na Escócia, onde foram goleados pelo Celtic por 5 a 0. Quase igual à locomoção de Lima, capital do Peru, a Juazeiro do Norte, no interior do Ceará.


Mas isso não significa que os lisboetas estão livres da possibilidade de voar por muitos céus...


Basta tomar como exemplo o Qarabag, atual tetracampeão do Azerbaijão. A distância entre Lisboa e Baku, onde os Atlılar mandam suas partidas, são impressionantes 6.371 quilômetros! Seria como viajar de Recife, capital de Pernambuco, a Concepción, cidade do Chile.


Para se ter ideia, a capital azeri fica mais perto de Teerã (822 km) e Bagdá (1.439 km), respectivas capitais de Irã e Iraque, do que de Kiev (2.234 km) e Moscou (2.284 km), respectivas sedes das próximas finais de Champions League e de Copa do Mundo. 


Nos primeiros 90 minutos da eliminatória diante do Copenhague, jogados no Estádio Republicano Tofiq Bahramov, os azeris venceram por 1 a 0. Estão a um empate - ou a uma derrota por um gol de diferença, desde que balance as redes - do que seria uma presença inédita na fase de grupos da Liga dos Campeões. A segunda mão será nesta quarta-feira (23). Podem fazer história. E podem fazer o Benfica bater o seu recorde de viagem europeia.


Getty Images
Getty Images

Torcida do Hapoel Be'er Sheva no jogo de ida dos 16 avos de final da Uefa Europa League 2016/2017, em casa, frente ao Besiktas


E não para por aí. Vitorioso na recepção aos eslovenos do Maribor (2 a 1), os israelenses do Hapoel Be'er Sheva também podem proporcionar uma longa quilometragem ao SLB. A distância entre Lisboa e Berseba compreende 6.007 quilômetros. É quase como ir de Paramaribo, capital do Suriname, rumo a Fortaleza, capital do Ceará.


O jogo decisivo na Eslovênia será nesta terça-feira (22).


Entre os clubes já inseridos nos grupos, o atual campeão ucraniano, Shakhtar Donetsk, é o mais distante territorialmente do Benfica. Os Mineiros estão mandando seus jogos em Kharkiv devido à instabilidade política na região da Crimeia, alvo de disputas entre Rússia e Ucrânia. De lá até Lisboa são 4.623 km. Por outro lado, as equipes não poderão se encontrar agora por estarem no Pote 1, que também tem Real Madrid, Bayern de Munique, Chelsea, Juventus, Monaco e Spartak Moscou.


Os valores das distâncias são aproximados. E têm o Google Maps como fonte.


Em suma: mais do que em possíveis adversários, o Benfica também está de olho em possíveis viagens longas. O que o futebol reservará ao Maior de Portugal na fase de grupos da Uefa Champions League? Na próxima quinta-feira teremos a resposta.