Benfica faz dever de casa e passa em teste difícil

Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

O camisa 10 Jonas foi um dos grandes destaques do triunfo do Benfica frente ao Braga, no Estádio da Luz


Foi dada a largada para a edição 2017/2018 da Primeira Liga de Portugal. Equipe do Trio de Ferro com o compromisso mais difícil na rodada de estreia, o Sport Lisboa e Benfica fez o dever de casa nesta quarta-feira (9) e venceu o Sporting Braga com autoridade, diante de quase 60 mil torcedores, no Estádio da Luz. O placar de 3 a 1 foi construído com gols de Seferovic, Jonas e Salvio. Hassan descontou para os braguistas.


Bastante expressivo, este resultado é importante para aumentar a autoconfiança da equipe, que deve ter concorrência mais acirrada nesta temporada.


O entrosamento entre meio-campistas e atacantes é notável. A dupla Seferovic e Jonas vem dando certo. Até parece que eles jogam juntos desde a infância. No meio-campo, destaque para Pizzi e Cervi, o cérebro e o motorzinho do time, respectivamente. Salvio, que costuma ser tão cornetado pela torcida, consagrou-se com um gol e com a determinação para criar outras chances.


Na cabeça de área, Fejsa mostrou por que é titular absoluto da posição. Impõe respeito aos adversários e faz boas transições da defesa para o ataque. É o equilíbrio do time.


Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

'Voltamos para ganhar': assim foi a recepção da torcida do Benfica à equipe no primeiro jogo na Luz em 2017/2018


No sistema defensivo, o qual passou por considerável desmanche nesta janela de transferências, quem assumiu o posto vem aguentando o tranco. Não é difícil perceber o motivo. Dos novatos da defesa, apenas o goleiro Bruno Varela ainda não havia jogado com o grupo e ainda está em processo de adaptação.


Embora o jovem de 22 anos pareça sentir o peso de um jogo profissional em determinados momentos, ele precisa do apoio dos adeptos para a sequência da temporada, independentemente de uma eventual recuperação de Júlio César ou da chegada de outro arqueiro. A confiança do treinador ele já tem. Nas laterais, o grande nome foi o "coringa" André Almeida. Autoconfiante, apoiou bastante lá na frente e deu muita dor de cabeça aos oponentes.


Porém, é necessário trazer mais gente para a defesa. Uma concorrência saudável faria muito bem ao setor e aumentaria a qualidade do elenco. Basta ver o que acontece no ataque, hoje servido por Jonas, Seferovic, Raúl Jiménez e Raúl Jiménez, todos de bom nível.


Senhor do jogo no início; sinal de alerta ligado no fim


Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Seferovic vem demonstrando faro de gol e está conquistando espaço entre os titulares


A recepção calorosa da torcida foi a motivação da qual o grupo precisou para controlar o jogo e transformar o domínio em gols.


O Braga se fechou bem. Adiantou sua marcação e deixou pouco espaço entre as linhas. Mas o Benfica triunfou através das jogadas de bola longa. Dificilmente perdia pelo alto. Foi ali o mapa da mina dos donos da casa.


O ferrolho bracalense foi quebrado aos 15 minutos. Da "quina" da área, Jonas mostrou excelente visão de jogo ao mandar para a pequena área, onde Haris Seferovic se mostrou mais esperto que os zagueiros e se antecipou ao goleiro Matheus. Autor de um dos gols do título da Supertaça Cândido de Oliveira, frente ao Vitória de Guimarães, o suíço voltava a balançar as redes e a justificar a aposta das Águias - veio a custo zero, vale lembrar.


A blitz continuou. Jonas, Salvio e Seferovic criaram boas chances. Destaque, em particular, para a intensa movimentação deste último. Do outro lado, aos 20 minutos, Eliseu evitou, na "hora H", uma ameaça em potencial. Pouco tempo depois, Bruno Varela evitou a felicidade de Xadas.


Após muitas ameaças, o segundo gol saiu com meia-hora de jogo. Pizzi mandou a pelota em direção ao ataque, a defesa do Braga afastou mal e Jonas acertou um lindo chute de primeira da entrada da área. Sem chances para o goleiro Matheus, bem sucedido nas tentativas anteriores.


Perto do intervalo, o Braga reduziu a vantagem encarnada através de Hassan. O atacante egípcio ganhou de Jardel na corrida e levou a melhor contra Varela. A incerteza pairava no ar, e o sinal de alerta foi ligado por Rui Vitória.


Vitória sacramentada depois de um susto


Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Salvio liquidou a fatura para o Benfica


Balançar as redes no final do primeiro tempo aumentou a confiança dos arsenalistas. Hassan voltou a marcar, aos nove minutos. No entanto, o gol foi anulado depois que o juiz consultou o árbitro de vídeo. A tecnologia a serviço da justiça no esporte. Susto suficiente para acordar a equipe da casa.


No momento em que o relógio marcava 12 minutos, Cervi saiu em velocidade pela esquerda, cruzou rasteiro e Salvio aproveitou um desvio no meio do caminho para completar ao gol. Confiança retomada.


A partir do 3 a 1, o jogo ficou mais movimentado no meio-campo, com ambos os escretes tentando criar alguma jogada de efeito. Vale mencionar as atuações de Seferovic e André Almeida, importantes para infernizar os braguistas.


A chance mais perigosa, depois do gol de Salvio, foi um chute do suíço defendido por Matheus aos 20 minutos.


O SC Braga voltou a ter um gol anulado. Dessa vez, o jogador em posição irregular foi Rui Fonte. Eram decorridos 26 minutos da etapa complementar.


Conforme o tempo foi passando, os mandantes foram administrando o resultado e impedindo qualquer ação dos visitantes. E a vitória ficou em boas mãos.


Mais um compromisso complicado pela frente


Passada a primeira "final", o foco vai para o duelo com o Desportivo de Chaves, a ser jogado no Estádio Municipal de Chaves, no próximo dia 14, uma segunda-feira.


Vice-campeões da segunda divisão em 2015/2016, os Trasmontanos fizeram campanha segura na edição passada da Primeira Liga = ficaram no meio da tabela, sem flertar com o rebaixamento - e agora querem alçar voos maiores. Não há oportunidade melhor para eles mostrarem a que virão do que um jogo contra o atual tetracampeão nacional. Todo cuidado é pouco para os Encarnados.