Benfica campeão da Taça de Portugal: a 'prova rainha' volta a ser do seu rei

Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

É campeão!


A Taça de Portugal é carinhosamente chamada de "prova rainha". A alcunha não vem à toa, dado em conta todo o charme que envolve o torneio. A copa nacional integra equipes de todas as divisões e de todas as regiões da terrinha - foram 155 em 2016/2017 - e é decidida em um grande templo do país, o Estádio Nacional do Jamor. E a rainha do futebol português tem alguém para chamar de rei: o Sport Lisboa e Benfica. Com o triunfo de 2 a 1 sobre o Vitória de Guimarães neste domingo (28), a Águia chegou ao 26º troféu e ampliou a hegemonia frente aos rivais Porto e Sporting, cada um com 16 taças.


A rainha passou duas temporadas longe do seu melhor companheiro. Mas quem é rei nunca perde a majestade. A monarquia, como sistema político, acabou em Portugal há mais de 100 anos. Mas o país ainda tem um rei, e este rei é o Benfica.


Os 90 minutos da glória


Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Benfica levou a melhor em jogo encardido


A conquista veio em meio a muitas dificuldades, diferente do 5 a 0 no Estádio da Luz, o famoso jogo do Tetra do Benfica. Nada que a gente não esperasse. Atmosfera diferente, palco diferente, motivações diferentes. Para a felicidade de todos que fazem parte do clube mais vitorioso de Portugal, o final foi igualmente feliz.


Os primeiros 45 minutos foram truncados. A chuva que caiu no Jamor deixou o gramado pesado e dificultou as propostas de jogo por parte das equipes. A chance mais clara de gol saiu dos pés de Hernani, do Vitória, que obrigou Ederson a fazer excelente defesa.


Como registro negativo fica a dura entrada do atacante vitoriano Marega contra o volante benfiquista Fejsa aos 24 minutos. O sérvio foi substituído por Samaris, que pôde jogar graças a um efeito suspensivo, e levou 12 pontos (!) no joelho esquerdo. O cartão amarelo ficou barato para o adversário.


Depois de uma primeira parte sonolenta, um início de segundo tempo à Benfica. Logo aos três minutos, Jonas arriscou de fora da área e o goleiro Miguel Silva não segurou. No rebote, Raúl Jiménez se comportou de maneira inteligente: livre de marcação, encobriu o arqueiro e correu para o abraço. A estrela do mexicano brilhou novamente.


Na comemoração, o camisa 9 homenageou o lutador da WWE, Sin Cara. Depois do festejo, viu cartão amarelo. Não tem como não achar essa regra chata.


Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Raúl 'Sin Cara' Jiménez


O segundo gol não demorou a sair. Quando o relógio marcava nove minutos, Nélson Semedo cruzou da direita e Salvio cabeceou para o fundo das redes. Criticado pelas más atuações ao longo da temporada, o argentino agora mostra o seu valor e dá credibilidade às investidas do técnico Rui Vitória.


A Águia não diminuiu o ritmo. Aos 22 minutos, Cervi fez bela jogada e cruzou para a cabeça de Jonas. O brasileiro acertou o poste. Aos 29, Samaris


Sem ter outra alternativa, o Vitória se lançou ao ataque. Com dificuldades para criar jogadas, apostou na bola parada. No minuto 33, Zungu balançou as redes na sequência de um escanteio e reduziu a vantagem lisboeta.


A partir daí, veio o abafa dos vitorianos. Rafael Miranda tirou tinta da trave após novo escanteio. Marega levou perigo em cobrança de falta.


Mas o Benfica soube responder à altura. Pizzi e Raúl Jiménez falharam tentativas clamorosas de gol. Não fizeram falta, felizmente.


Na prévia do jogo, foi dito que cada time tinha um fantasma para exterminar. O Vitória SC encerrou o jejum de quase quatro anos sem fazer gol contra o SLB. Porém, no final das contas, foram os benfiquistas quem sorriram: quebraram o jejum de 21 anos sem derrotar o time do norte em Taças de Portugal - de lá para cá, três vitórias dos minhotos - e ficou com o título.


Rui Vitória continua fazendo história


Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Rui Vitória e sua mais nova filha


Rui Vitória segue triunfando no Sport Lisboa e Benfica. Com o título deste domingo, o português se tornou o nono técnico a conseguir a "dobradinha" pelo escrete encarnado. Entrou para um seleto grupo que conta com János Biri (1942/1943), Otto Glória (1954/1955, 1956/1957 e 1968/1969), Lajos Czeizler (1963/1964), Jimmy Hagan (1971/1972), Lajos Baróti (1980/1981), Sven-Göran Eriksson (1982/1983), John Mortimore (1986/1987) e Jorge Jesus (2013/2014),


Além disso, conquistou um feito inédito: é o primeiro treinador da história de Portugal a ganhar finais de Taça de Portugal semelhantes por times diferentes. Foi campeão com o Vitória de Guimarães frente ao Benfica em 2013 e, agora, é campeão com o Benfica diante do Vitória de Guimarães.


E não para por aí. Rui se consagrou no quinto comandante a copar a Taça por duas equipes distintas. Os outros quatro foram o brasileiro Otto Glória (Benfica e Belenenses), o angolano Fernando Vaz (Sporting e Vitória de Setúbal), o português José Maria Pedroto (Porto e Boavista) e o inglês Jimmy Hagan (Benfica e Boavista).


Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Faça chuva ou faça sol, 'E pluribus unum'


Árbitro de vídeo foi utilizado duas vezes


A final entre Benfica e Vitória de Guimarães foi o primeiro jogo da história do futebol português com a presença do árbitro de vídeo. E ele foi usado duas vezes, ambas na segunda etapa.


Pouca gente percebeu, mas, aos três minutos, enquanto os jogadores do Benfica comemoravam o gol de Raúl Jiménez, o árbitro Hugo Miguel pediu a Artur Soares Dias e Jorge Sousa que confirmassem se a posição do camisa 9 dos Encarnados era legal. Felizmente, a festa dos benfiquistas não foi em vão. A legitimidade do gol foi confirmada.


Aos 12 minutos, a arbitragem avaliou um toque de Josué, da equipe vimaranense. Celis cortou de carrinho, a bola bateu em Franco Cervi e acabou por acertar o braço de Josué. Os árbitros de vídeo entenderam que a jogada foi normal, e o jogo seguiu. 


Benfica termina a temporada 2016/2017 da mesma maneira que começou: erguendo troféu


Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Sport Lisboa e Benfica: cada vez maior


No primeiro jogo da época 2016/2017, a Águia sapecou o Braga (3 a 0) e conquistou a Supertaça Cândido de Oliveirsa, a sexta de sua gloriosa história. Começar a temporada conquistando título sempre é motivo de orgulho.


Durante a temporada, a presença nas oitavas de final da Champions League ficou de bom tamanho para quem foi irregular durante toda a competição.


Na I Liga e na Taça de Portugal, o time de Rui Vitória pensou jogo a jogo e colheu os frutos.


Encerra 2016/2017 com mais duas taças para o Museu Benfica - Cosme e Damião: o 36º troféu do campeonato nacional (o inédito e inesquecível Tetra!) e a 26ª Taça de Portugal (que teve como consequência a 11ª dobradinha; mas podemos contar com a Supertaça e falar que houve um triplete, não é?).


E o fim fica igual ao começo, com o SLB erguendo troféu.


Em Portugal, nada pode ser maior que o Sport Lisboa e Benfica. E o Sport Lisboa e Benfica está cada vez maior.