José Augusto é uma motivação a mais para o Benfica superar o Marítimo

Divulgação/SL Benfica
Divulgação/SL Benfica

Homenagem do Benfica ao ex-ponta-direita José Augusto, grande ídolo encarnado que completou 80 anos nesta quinta


Nesta quinta-feira (13), o Sport Lisboa e Benfica celebrou o dom da vida de um dos seus grandes ídolos, José Augusto. O ex-ponta-direita benfiquista completou 80 anos, dos quais 13 foram inteiramente dedicados ao Glorioso. A história deste grande ícone encarnado deve servir de inspiração ao plantel atual, que tem compromisso marcado para esta Sexta-Feira Santa (14), dia em que as Águias recebem o Marítimo no Estádio da Luz, na abertura da 29ª rodada da Primeira Liga.


O clube, é claro, não esqueceu quem o ajudou a ser gigante.


Lenda viva


Divulgação/SL Benfica
Divulgação/SL Benfica

José Augusto é um dos remanescentes da época dourada do Sport Lisboa e Benfica


Revelado pelo tradicional Barreirense, onde atuou profissionalmente entre 1955 e 1959, José Augusto foi jogador do Benfica de 1959 a 1969, justamente na época dourada dos Encarnados. Brilhou ao lado de estrelas como Eusébio, Mário Coluna, José Águas, Mário João, Ângelo Martins e Germano de Figueiredo. Era um jogador astuto: movimentava-se bastante e tinha apurada visão de jogo; sua grande especialidade eram as finalizações de cabeça.


Conquistou nada mais nada menos que duas Copas dos Campeões Europeus (atual Uefa Champions League), oito Campeonatos de Portugal e três Taças de Portugal. Vale sublinhar: naqueles tempos, o Benfica era potência internacional e grande frequentador de decisões continentais. Além das duas que venceu, jogou outras três - José Augusto esteve em todas. A equipe jamais chegou a ser apontada como zebra...


Augusto defendeu a seleção nacional em 45 partidas e marcou nove gols. Três deles saíram na epopeia portuguesa na Copa do Mundo de 1966, mais precisamente na emblemática vitória sobre a Hungria (3 a 1), à época uma das potências mundiais, e na virada espetacular contra a Coreia do Norte (5 a 3), a grande zebra daquele Mundial. Os lusitanos, comandados pelo brasileiro Otto Glória (que também treinou o Benfica), terminaram aquela Copa em terceiro, a melhor campanha intercontinental até hoje.


Reprodução/SL Benfica
Reprodução/SL Benfica

José Augusto defendeu o Benfica entre 1959 e 1969


Logo após pendurar as chuteiras, o ídolo da Luz aceitou o desafio de treinar o time principal do Benfica, posto que ocupou em 1970 e 1971. A escolha não foi à toa: ele era considerado o "crânio" do elenco devido à sua grande inteligência tática. Na área técnica, conquistou a Taça de Portugal da temporada 1969-1970. Posteriormente, fez carreira no futebol português, espanhol e marroquino. Também treinou a seleção de Portugal.


De lá para cá, José Augusto nunca escondeu sua paixão pelo Sport Lisboa e Benfica. Hoje se vê vários jogadores sendo chamados de "mitos" sem merecerem tal alcunha. Mas existe a certeza de que José Augusto, pela história construída no território encarnado de Portugal, pelos serviços prestados ao clube e pela grande identificação com os adeptos gloriosos, merece este adjetivo. Felicidades sempre, grande!


Benfica vai encontrar o time que lhe impôs a primeira derrota no campeonato


Getty Images
Getty Images

No primeiro turno, o Benfica foi derrotado pelo Marítimo, na Ilha da Madeira, por 2 a 1


Se a possibilidade de abrir quatro pontos de vantagem sobre o arquirrival Porto, ainda que esta distância seja provisória, já era um grande fator de motivação para o duelo frente ao Marítimo em Lisboa, a história de José Augusto acaba sendo um "plus" de entusiasmo para a delegação encarnada. A lenda viva do SLB é espelho para qualquer benfiquista, seja ele(a) jogador(a) ou torcedor(a).


Os comandados de Rui Vitória ficarão frente a frente com a equipe que tirou a invencibilidade das Águias na I Liga. No dia 2 de dezembro de 2016, em partida válida pela 12ª rodada, os Leões do Almirante venceram o Benfica por 2 a 1, com gols de Ghazaryan e Maurício, no Estádio dos Barreiros, em Funchal, na Ilha da Madeira. O tento dos visitantes foi assinado por Gonçalo Guedes.


Pode-se dizer que os Encarnados têm mais um algoz a superar. Na jornada passada, bicou o fantasma do Moreirense em Moreira de Cónegos. Agora, tem a oportunidade de se vingar de quem lhe impôs o primeiro revés no campeonato nacional. E, de quebra, fortalecer-se na luta pelo Tetra.


Não será uma tarefa fácil. O Marítimo faz boa campanha na Liga. É o sexto colocado, com 44 pontos somados, e está brigando por vaga na próxima Uefa Europa League, enquanto o seu maior rival, o Nacional, apenas luta contra o rebaixamento. Ou seja, também existe motivação do outro lado.


Cabe ao SLB neutralizar as ações do adversário e impor a filosofia de jogo de ataque total desejada pela torcida para que a vitória venha sem tantos sustos. É preciso honrar o ídolo José Augusto, os adeptos e a gloriosa história do emblema carregado no peito.


Se o resultado final for a mesma chuva de gols da temporada passada, melhor ainda.