Benfica não quer ser assombrado pelo fantasma da Taça da Liga

Após se garantir na final da Taça de Portugal, em um jogo eletrizante na Luz contra o Estoril, o Benfica volta todas as suas atenções para a reta final da Primeira Liga. Terá, neste domingo (9), às 16h15 (horário de Brasília), fora de casa, a primeira das sete "finais" na luta pelo tetracampeonato nacional. O adversário é logo a maior sensação do futebol português nesta temporada, o Moreirense.


Sediado no minúsculo vilarejo de Moreira de Cónegos, cuja população é inferior a 5 mil habitantes, o Moreirense Futebol Clube impressionou o país (e o planeta também, por que não?) ao conquistar a Taça da Liga de Portugal em janeiro deste ano. O escrete alviverde derrubou o Porto na fase de grupos (1 a 0), derrotou o próprio Benfica na semifinal (3 a 1) e atingiu sua maior glória em 78 anos de história ao vencer o Braga pela contagem mínima na decisão.


O gol do título dos Verdes e Brancos foi anotado pelo meia Cauê, um dos nove brasileiros do elenco - número superior ao de portugueses (7). Fazem companhia a ele os defensores Diego Ivo, Diego Galo, Marcelo Oliveira e Jander, os meias Alan, Wallyson e Neto e o atacante Nildo Petrolina.


No plantel também há jogadores da Geórgia, Sérvia, França, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Gana, Costa Rica, Angola e Mali.


Divulgação/Moreirense FC
Divulgação/Moreirense FC

Moreirense conquistou a Taça da Liga, título mais importante de sua história, ao vencer o Braga por 1 a 0, no Estádio do Algarve


Com a inédita conquista, o Moreirense tornou-se o quarto time diferente a "copar" a Taça da Liga. Braga e Vitória de Setúbal também já alcançaram o posto de campeão uma vez cada. O maior vencedor é o Benfica, com sete troféus - soberano no futebol português em todos os sentidos.


Contando já com 2016/2017, o MFC coleciona sete participações na I Liga. Caiu à segunda divisão duas vezes, em 2004/2005 e 2012/2013. De resto, as campanhas foram de meio de tabela. O melhor desempenho foi um nono lugar em 2003/2004.


Além da Taça da Liga, tem outros quatro títulos nacionais: duas edições da Segunda Liga (2001/2002 e 2013/2014) e duas da terceira divisão (1994/1995 e 2000/2001).


A população de Moreira de Cónegos é menor que a capacidade do estádio da vila!


Moreira de Cónegos é um lugar tão pequeno que nem é oficialmente chamado de cidade. Trata-se de uma freguesia do concelho de Guimarães, região onde, segundo a tradição local, "nasceu Portugal". Fica a apenas 10 quilômetros da Cidade Berço e foi elevada ao status de vila em 1995. O primeiro registro que se tem do lugar é um escrito de março de 961 - isso mesmo, 961 -, quando o local se chamava Villa Cova.


Divulgação/Moreirense FC
Divulgação/Moreirense FC

A vila de Moreira de Cónegos abraça o Moreirense


A população, acredite, não é suficiente nem para encher o estádio da vila. De acordo com dados de 2011 do Instituto Nacional de Estatística de Portugal, o lugar tem 4.853 habitantes. O Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, por sua vez, tem capacidade para 9 mil torcedores.


O fantasma da eliminação persegue o Benfica


Quem é benfiquista e supersticioso certamente não gostou de saber que o árbitro do jogo válido pela 28ª rodada da Primeira Liga será Tiago Martins. Foi ele mesmo quem apitou a semifinal da Taça da Liga entre Moreirense e Benfica.


Na verdade, a desconfiança vai além da superstição. O desempenho do árbitro da Associação de Lisboa na semifinal da Taça da Liga foi duramente criticado pela torcida do Glorioso. Os encarnados reclamaram de um gol mal anulado das Águias e de um suposto tento irregular dos mandantes.


Divulgação/Moreirense FC
Divulgação/Moreirense FC

Moreirense venceu o Benfica por 3 a 1 na semifinal da Taça da Liga de Portugal


A revolta foi tão grande que o técnico Rui Vitória tomou cartão vermelho depois do apito final. De acordo com o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, o treinador do SLB dirigiu as seguintes palávras a Tiago Martins: "Parabéns! Já conseguiste o que querias! Isto é uma vergonha!".


A expulsão rendeu três jogos de punição a Rui. Ele não frequentou a área técnica na derrota de 1 a 0 para o Vitória de Setúbal, no Estádio do Bonfim, e nas vitórias de 3 a 0 contra Nacional e Arouca, ambas no Estádio da Luz. Os três compromissos foram válidos pela Liga.


Evidentemente, além da passada polêmica envolvendo o apito, existe o impacto do reencontro com quem traz más lembranças em plena época de disputa acirrada pelo maior título do futebol nacional. O Benfica, além disso, entrará em campo pressionado pela vitória do Porto sobre o Belenenses, no Estádio do Dragão, por 3 a 0, resultado que deixa os portistas provisoriamente na liderança com 67 pontos, dois a mais que os lisboetas.


No entanto, o fantasma da Taça da Liga precisa ser exterminado e a cicatriz precisa ser sarada. O Sport Lisboa e Benfica continua a depender das próprias forças para chegar ao 36. E tem a obrigação de se aproveitar da má fase do oponente para se manter no topo da tabela.


Choque de realidade no Moreirense?


Divulgação/Moreirense FC
Divulgação/Moreirense FC

Mesmo após a epopeia na Taça da Liga, o Moreirense luta contra o rebaixamento na I Liga


Hora de colocar pingos nos is. Apesar do recente título nacional, o Moreirense está mal na primeira divisão. A equipe se superou no mata-mata e escreveu um lindo capítulo na história do futebol, é verdade, mas a presença na modesta 16ª colocação expõe suas limitações para um campeonato de longa duração.


O time de Moreira de Cónegos soma 21 pontos e está uma posição acima da zona de rebaixamento. Os respectivos vice-lanterna e lanterna, Nacional e Tondela, têm 17 pontos cada.


O desempenho ruim no certame custou o cargo do técnico Augusto Inácio, comandante do escrete verde e branco no "conto de fadas" da Taça da Liga.


Para o lugar de Inácio veio Petit. Um dos maiores ícones da história recente do Benfica e da seleção portuguesa, o francês naturalizado lusitano pendurou as chuteiras há pouco tempo, em 2013, pelo Boavista, onde conquistou o histórico título de 2000/2001. Em sua carreira de técnico, vem se destacando por fazer trabalhos seguros em plantéis com poucos recursos. Salvou do rebaixamento o promovido da terceira divisão, Boavista -- que à época subiu à elite via tribunal após vencer a longa batalha jurídica do Apito Final, na qual o clube fora acusado de manipular resultados --, e o então estreante no primeiro escalão. Tondela.


Espera-se que esta mística de salvação também passe por Moreira de Cónegos.


Agora, Petit ficará frente a frente com um clube que tem lugar especial em seu coração. E terá o desafio profissional de superá-lo em meio ao momento conturbado do Moreirense, seu mais novo local de trabalho. Mais um dos inúmeros casos em que o passado e o presente se encontram no futebol.