Ribery e a fórmula para se aposentar no Bayern

Franck Ribery completou uma década de Bayern nesta última quarta-feira, dia 7 de junho. Em seus dez anos de casa, o francês foi de aposta marrenta e nada unânime a um dos grandes alicerces de uma geração extremamente vitoriosa. Esteve envolvido em polêmicas, algumas decepções e em muitos momentos de alegria e glórias. Foram dez anos muito bem vividos, suficientes para registrar para sempre seu nome na história do clube.


Não foram poucas as vezes em que as lesões atrapalharam seu histórico pelo clube, especialmente sob comando de Guardiola - do qual, após a saída para o Manchester City, tornou-se desafeto. Todavia, os números ainda assim seguem bastante satisfatórios: em 353 jogos, foram 111 gols anotados e 173 assistências. Em todos os 18 troféus conquistados por ele nesta trajetória há seu nome registrado, sendo na maioria com letras garrafais.


Getty Images
Getty Images

Ribery: lenda do Bayern


Hoje com 34 anos, Ribery passa longe da condição física ideal e, dia após dia, cada vez mais fica suscetível a lesões - mesmo há algum tempo já aposentado da Seleção da França. Isso poderia ser suficiente para que o Bayern começasse a estudar alguma forma de vendê-lo para outro clube ou até mesmo dispensá-lo, mas isso jamais seria considerado. Diferentemente de muitos outros clubes, o Bayern dá muito valor para suas lendas.


E ainda que isso em algum momento fosse considerado, o francês antes já se precaveu a ponto de acabar com qualque especulação. Nesta última temporada Ribery teve a humildade de compreender sua condição física e frequentar mais vezes o banco de reservas, abdicando assim do status anterior de titular absoluto. Isso é algo bastante anormal para grandes jogadores, mas o reconhecimento de suas limitações o fez dar lugar a Douglas Costa sem que houvesse qualquer atrito de sua parte.


O resultado dessa decisão não demorou para vir: mais preservado, Franck teve quase o mesmo número de minutos do que o brasileiro (apenas 21 minutos a mais em campo) e no resultado final o bateu com sobras no número de assistências (18 a 9). A diferença de gols anotados foi de apenas dois a favor do brasileiro (5 a 7). Estes números, somados ao fato de o francês ser quase dez anos mais velho, deixaram Costa insatisfeito e sem argumentos dentro do Bayern, o que fatalmente o levará a ser negociado nesta janela de verão.


Caso Alexis Sánchez venha para o Bayern (ou quem sabe James Rodriguez, se a negociação não der certo), a tendência é que Ribery tenha ainda menos minutos em campo. Pelo que vimos nesta temporada, ele não se preocupa com isso e, somando à sua condição de estrela do clube, estes deverão ser fatores que o segurarão até a aposentadoria. Ribery foi inteligente: adorado no Bayern e totalmente adaptado a Munique, deu um passo para trás para assim pendurar as chuteiras onde viveu seu auge. Ganha ele e também o clube, que passa a contar com boa arma para os 30 minutos finais dos jogos.


Siga Bruno Secco no Twitter