Robben é fundamental, mas o Bayern precisa de um reserva à altura

Com a provável saída de Douglas Costa, Robben será ainda mais importante para o Bayern na próxima temporada. Se antes o holandês poderia ser incomodado pelo brasileiro, que também joga na ponta-direita, em 2017/2018 ele poderá ficar tranquilo quanto à titularidade no setor.


Isso poderia ser ruim pelo fato de poder gerar uma zona de conforto, mas sabemos que Arjen não é do tipo de jogador que se acomoda. Sempre busca o jogo, os passes e os gols de forma incessante, independentemente de fase ou retrospecto. Sua importância para o Bayern é inegável em termos de desequilíbrio. Mas, ao mesmo tempo, não deixa de ser perigosa - justamente pelo fato de o holandês não ter mais no banco um substituto à altura no elenco.


Getty Images
Getty Images

Se Robben se machucar (e sabemos que isso não é difícil), poderemos ter grandes problemas


Eu não tenho confiança em Coman. Embora sua primeira temporada pelo Bayern tenha sido satisfatória quando a oportunidade surgia (a mais marcante foi justamente contra seu ex-clube, a Juventus), seu desempenho na temporada seguinte, já sob comando de Ancelotti, acabou sendo muito abaixo do esperado. Tão abaixo que, em decorrência dos poucos momentos de brilho, com exceção aos 8 a 0 frente ao Hamburgo é difícil lembrarmos de cabeça uma outra partida em que esteve em campo (e olha que foram 25 oportunidades).


Mesmo não aproveitando as chances dadas por Ancelotti, o Bayern baseou-se em seus meses iniciais com Guardiola para contratá-lo de forma definitiva junto à vice-campeã da Champions League. Após empréstimo de dois anos, o clube pagou aos italianos a importância de €21 milhões, valor considerado acessível diante das loucuras que andam sendo cometidas no mercado de transferências da Europa. Só que neste pacote veio justamente essa dúvida quanto ao seu rendimento caso aconteça algo com Robben.




Alcançar o equilíbrio entre o time titular e o time reserva mais do que nunca precisa ser um mantra na Baviera, e o que vemos na ponta-direita é justamente uma enorme discrepância entre titular e reserva - algo perigosíssimo quando pensamos nos momentos mais decisivos da temporada. Essa incerteza é um luxo do qual o Bayern se permitiu, e, desde já, cada amistoso pela Holanda ou sequência desgastante de Robben pelo Bayern será um motivo a mais para preocupação.


Siga Bruno Secco no Twitter