A 'maldição de Guardiola' assola o Bayern no momento mais importante da temporada

Acredite se quiser: depois de Lewandowski e Hummels, o Bayern tem mais uma importante baixa às vésperas da segunda partida contra o Real Madrid, a ser realizada no Santiago Bernabéu na próxima terça-feira (18). Boateng sentiu problema nos adutores e já é desfalque certo contra o Leverkusen, pela Bundesliga. Definitivamente uma semana para se esquecer.


Embora haja esperança de que o melhor zagueiro do mundo se recupere a tempo de atuar contra os espanhóis na semana que vem, pesa contra o fato desta lesão não lhe trazer boas lembranças. Para quem não lembra, durante a Eurocopa, Boateng sofreu exatamente com este problema, mas ainda assim foi liberado para jogar contra a França na semifinal. O resultado foi um agravamento do quadro e quase quatro meses longe dos gramados.


Getty Images
Getty Images

Pilar da retaguarda bávara, Boateng está em situação de risco para Madrid


Não foram poucas as vezes que critiquei Guardiola em relação à alta quantidade de lesionados em momentos importantes da temporada. O modo como o técnico e seu preparador físico, Lorenzo Buenaventura, geriam os treinamentos, era o fiel da balança para aqueles panoramas negativos. Até um renomado médico foi à televisão afirmar exatamente que os métodos de trabalho do espanhol tinham relação direta com as lesões. 


Cito essa lembrança acima porque neste momento começam a aparecer os oportunistas nas redes sociais, questionando os lesionados à essa altura do campeonato e o fato de Guardiola não estar mais no Bayern. É comovente o esforço que fazem para defender o ex-treinador do clube, mas realmente não há como comparar as três baixas atuais com as mais de dez que chegamos a ter, por exemplo, em 2014/2015. O que tem acontecido com o Bayern hoje é mesmo uma fatalidade. Três lesionados, número normal para qualquer agremiação que chegue perto do final de uma temporada desgastante. O azar foi mesmo estes três serem de extrema importância para o clube.


Getty Images
Getty Images

Aceite: Ancelotti é inocente


Ancelotti tem absolutamente culpa alguma nestas três lesões. Alguns dizem que deveria ter poupado Lewandowski contra o Dortmund, algo que discordo totalmente. Quando ocorre um episódio desta rivalidade, não há qualquer possibilidade de poupar o principal astro do confronto, mesmo valendo apenas três pontos e folga na liderança da Bundesliga. Já as lesões da dupla Hummels e Boateng ocorreram em simples treinamentos, como são os de Carlo. Acidentes de trabalho e nada mais.


Se Boateng e Hummels realmente forem baixas para a segunda perna contra o Madrid e com Martinez suspenso, mais remendos terão de ser feitos na retaguarda de Carlo. Bernat fatalmente terá de ser escalado na lateral-esquerda, com Alaba ocupando a posição de Mats. Lahm poderia ser um possível substituto de Boateng, com Rafinha ou Kimmich na lateral-direita. Embora os laterais possam exercer bem a função de zagueiros, preocuparia muito o fato de ambos serem baixos - esse miolo de zaga teria a média de 1,75m, um prato cheio para Sergio Ramos e seu oportunismo. Vidal e Alonso também poderiam ser opções para a zaga, fazendo assim com que as laterais não fossem tecnicamente tão sacrificadas. Todavia, o mesmo problema da altura os acomete. É pedir para Ramos maturar seu gol assim que a bola rolar.


Não resta outra opção: precisaremos arriscar todas as fichas contra o Madrid. Hummels dificilmente jogará e Boateng dificilmente não agravará sua lesão se for a campo, já que pelo menos um rasgo no músculo ele já possui. Um deles, no entanto, seria vital na cobertura do forte jogo aéreo madridista. É rezar para que Boateng aguente os 90 minutos, com o risco de perdê-lo pelo restante da temporada, e, em caso de classificação, contar com Martinez e um provável Hummels já recuperado.


É sacrificar para tentar avançar. Escolhas difíceis para este que é o momento mais tenso da temporada. Duro pensar que até uma semana atrás tudo fluia bem e a confiança era a melhor possível.


Siga Bruno Secco no Twitter