Há um grande contexto por trás da decisão de Lahm

Em uma declaração que pegou todos de surpresa (inclusive a diretoria), Lahm selou sua aposentadoria para o final desta atual temporada. A notícia é obviamente um forte baque, mas, a princípio, o momento não é para despedidas e muito menos para ressaltar e elogiar a extensa lista de títulos - já que ainda faltam, afinal, quatro meses para o duro fato se consumar. É mesmo hora de analisar o contexto da situação.


Que a hora de o capitão do Bayern pendurar as chuteiras estava próxima não era segredo para ninguém - menos ainda para quem acompanha este espaço. Diversas vezes conversamos sobre a necessária transição que o clube terá de enfrentar nos próximos anos e que ele era parte importante dela. Só que a previsão da aposentadoria de Philipp era mesmo para o meio de 2018. Estando em ótimas condições físicas e sem mais compromissos com a Alemanha, por que resolver antecipá-la em um ano?


Getty Images
Getty Images

Lahm resolveu parar com apenas 33 anos


Certeza dos seus motivos apenas Lahm e talvez sua família tenham, mas imaginar a situação que o fez tomar esta decisão, não é tão difícil. Como na Seleção da Alemanha, o que pode ter levado o capitão do Bayern a parar apenas com 33 anos de idade é mesmo a lembrança que ele quer deixar para a torcida e admiradores do seu futebol.


Caso realmente seja este o motivo, podemos dizer que foi algo, no mínimo, grandioso. Duro, triste, mas grandioso. Parar em boas condições físicas, embora seja pecado (agravado pelo fato de ser um dos melhores laterais da história do esporte), mostra que não há preço que pague a preocupação com sua bela história. Preço e muito menos a decadência, originada quase sempre em decorrência dos interesses.

Lahm foi inteligente ao se preservar sua história e principalmente em escolher o momento para anunciar esta decisão. Seria terrível caso isso acontecesse ao término da temporada, afinal, nem tempo para nos desperdirmos dele teríamos. Anunciando com quatro meses de antecedência, teremos a oportunidade de vê-lo praticando seu futebol sabendo que cada momento o aproxima do último.


Há também o fato de o time poder jogar cada jogo por ele, o que finalmente poderá fazer com que engrene nesta segunda metade da temporada. A despedida do capitão e uma das principais pontes do time do Bayern com diretoria, torcida e imprensa é a motivação perfeita para que, ao término da temporada, haja despedida das mais românticas. Com títulos, festas e, claro, muita emoção. Vale lembrar que o jogo contra o Arsenal, pelas oitavas da Champions, será na semana que vem, e a antes questionada mentalidade do clube já poderá ser outra.


Lahm é um dos maiores laterais da história e provavelmente será eternizado em diversas seleções do mundo ao pendurar oficialmente as chuteiras - na do Bayern ele já está antes mesmo de parar. Esta decisão é triste, mas há um contexto gigantesco. Precisamos respeitar sua decisão e, desde já, incentivar Kimmich, seu provável substituto na função.


Siga Bruno Secco no Twitter