De útil a trágico, Mathieu deixa o Barça como herói improvável do triplete

O movimento mais óbvio do Barcelona na janela de transferências foi enfim oficializado. Mathieu não é mais jogador do clube, rescindiu o contrato que ainda duraria por mais um ano e assinou com o Sporting de Lisboa. Ele treinou durante a semana em um período de testes em Portugal, até que a definição sobre a contratação foi feita nesta sexta-feira.


Em três anos vestindo azul-grená o zagueiro nunca foi querido pela maior parte da torcida. Muitos desses torcedores, aliás, usaram Mathieu como bode-expiatório em vários jogos ruins da equipe quando os problemas na verdade eram outros. Usar o elo mais fraco do elenco para justificar um resultado ruim sempre foi a saída mais fácil, e o francês sofreu com isso.


Contudo, quem olhava para Mathieu sem deixar de lado a sua função no elenco tinha uma opinião mais amigável sobre ele. O camisa 24 foi contratado em um momento de extrema necessidade, quando o Barça estava sofrendo pela falta de zagueiros no time. Ele não chegou para ser titular ou para resolver o problema da defesa, sua função sempre foi a de “jogador útil”, uma opção que não comprometesse o time, não um jogador para grandes momentos.


Se ele esteve presente em jogos maiores do que sua capacidade, a culpa é de quem o escalou, e não do jogador que foi colocado em uma situação que superava sua capacidade técnica. Seu último jogo com o Barcelona, a derrota para a Juventus, foi o maior exemplo disso. Ele não deveria estar em campo, era um jogo muito maior do que seu futebol e o resultado foi visto nos 45 minutos em que ele esteve no gramado.


A última temporada de Mathieu no clube foi muito ruim. Atuações fracas, mesmo contra times mais frágeis, e uma série de lesões. Nos seus dois primeiros anos, entretanto, sua função foi cumprida melhor do que os comentários da torcida fazem parecer. E não podemos nos esquecer dos gols contra Real Madrid e Celta em vitórias por 2 a 1 e 1 a 0, respectivamente. Sem eles, não haveria triplete em 2014/15.


Getty Images
Getty Images

O gol contra o Real Madrid foi o grande momento de Mathieu pelo Barcelona


Em alguns momentos, o francês foi um bom jogador. Na maior parte dos dois primeiros anos de sua passagem pelo Barcelona, ele foi um atleta regular, que comprometeu pouco e foi útil para o elenco. Na última temporada, o nível técnico e físico caiu, tornando a saída inevitável.


Não dá para considerar a passagem de Mathieu pelo Barça um fracasso: para um jogador de 30 anos, questionado e em sua primeira experiência em um grande clube, ele cumpriu bem seu papel. Se não fosse por uma lesão, o zagueiro teria disputado a Eurocopa com a França, algo impensável quando ele chegou ao clube.


A transferência para o Sporting parece um bom passo para uma carreira que está chegando ao fim. Contudo, é mais uma mostra da falta de habilidade do Barcelona em fazer boas vendas. O zagueiro saiu de graça, seu contrato foi rescindido e os cofres do clube não serão afetados pela negociação. Situação idêntica à de Sandro, na temporada passada, que foi para o Málaga e na semana passada foi vendido ao Everton por 6 milhões de euros.


Mathieu não tem nada a ver com esse problema e deve sair do Barça de cabeça erguida. Apesar de toda a rejeição da torcida, a passagem pelo Barcelona teve momentos importantes e que se tornaram fundamentais para uma grande conquista. Mathieu nunca foi o zagueiro dos sonhos e poderia ter saído um ano antes, mas para quem chegou para ser a quarta opção no banco ele cumpriu muito bem sua função.