Tropeço do Barcelona é um anticlímax, não um desastre

De volta à vida real. Depois de uma grande sequência nas últimas partidas, o Barça tropeçou. E sem culpar terceiros: foi uma derrota merecida. O Deportivo se posicionou bem, deu poucos espaços na defesa e soube matar o jogo em sua jogada mais forte, a bola aérea. Contou com um vacilo de Stegen, que fez duas ou três grandes defesas na partida, e aproveitou a oportunidade que teve quando estava sendo dominado na segunda etapa.


Falar de ressaca após a virada do meio de semana parece uma desculpa e não é a palavra exata, mas é a realidade. O duelo contra o PSG foi um jogo difícil, em que o time pressionou por 95 minutos e se desgastou demais fisicamente. Mesmo com as rotações feitas por Luis Enrique para enfrentar o Deportivo, a impressão é que faltou energia para pressionar e deixar os ataques mais rápidos.



Os desfalques fizeram falta. Neymar é quem mais traz agilidade aos ataques e também a improvisação para criar espaços em jogos exatamente como o de hoje. Arda estava impreciso e não tem a característica de acelerar o jogo. Pelo outro lado do campo, Denis não conseguiu dar a amplitude de Rafinha e só apareceu mais no segundo tempo, quando foi para o lado esquerdo.


E quem mais fez falta foi Messi. Ele não havia feito um grande jogo contra o PSG, ficou sumido uma boa parte do tempo, mas sua presença ocupava dois ou três marcadores rivais e, com a bola nos pés, ele criava perigo nas vezes que aparecia. Hoje, além de estar sumido, o argentino errou muito nos passes e na tomada de decisões. Contra um time tão fechado na defesa, faltou o camisa 10 para dar criatividade ao Barça.


O 3-4-3 ajuda o Barcelona a ter mais posse e pressionar com mais jogadores assim que perde a bola no ataque. Contudo, hoje faltou o meio de campo aparecer, algo que havia melhorado nas últimas partidas e é fundamental para fazer a posse ser produtiva. Sergi Roberto teve alguns bons momentos encontrando espaços na defesa, mas pecou na hora de decidir as jogadas.


André Gomes foi bem em um lance, ao driblar um zagueiro na área, mas desperdiçou a oportunidade ao chutar em vez de tocar para alguém melhor posicionado. De resto, foi o típico português que estamos acostumados a ver, sem compreensão alguma de como o time funciona e qual espaço deve ser ocupado em campo.


Getty Images
Getty Images

O gol de Suárez no começo do segundo tempo não foi suficiente para mudar o Barça


Além disso, voltamos a uma questão que foi abordada aqui no blog há algum tempo. Existe uma Umtitidependência no Barcelona? É cada vez mais difícil de negar a importância do francês no time. Com ele, 16 vitórias em 16 jogos no Campeonato Espanhol. Sem ele, 2 vitórias, 3 derrotas e 6 empates. Hoje, ele foi poupado e Alba jogou em seu lugar, justamente quem estava na marcação do jogador que fez o segundo gol do Deportivo. Com Umtiti, talvez a história seria outra.


De qualquer forma, ainda que a derrota seja um anticlímax após a virada da quarta-feira, o Barça não é o primeiro time a tropeçar após uma partida desgastante. É um resultado inesperado, apesar do crescimento recente do Deportivo, mas compreensível. Barcelona, Real Madrid, Sevilla, Atlético, não importa o clube ou o que está em disputa, todos irão tropeçar nas 11 rodadas que faltam.


Apesar do resultado de hoje, o Barça cresceu após a mudança de esquema tático, conseguiu quatro grandes resultados, incluindo goleadas contra PSG e Celta e uma vitória dificílima contra o Atlético. O time estava perdido e encontrou um caminho para seguir em frente. Luis Enrique terá a semana livre para aperfeiçoar os ajustes que estavam funcionando e corrigir os problemas que a equipe ainda demonstra.


O Barcelona se recolocou na disputa pelo título espanhol quando venceu os três jogos anteriores ao de hoje e se aproveitou de dois tropeços do Real Madrid. Seria inocente pensar que a equipe não perderia mais pontos daqui pra frente.


Faz parte do campeonato e acontecerá com outras equipes. Perder hoje foi um banho de água fria, mostrou que não está tudo perfeito. Contudo, não é um desastre. Do mesmo jeito que nem tudo estava bom antes, nem tudo está ruim agora.


Getty Images
Getty Images

A derrota é um resultado inesperado, mas não é o fim da linha para o Barça no Campeonato Espanhol