Da garçonete ao Barça: a história de amor de Rakitic

O fim de janeiro de 2011 estava próximo quando Ivan Rakitic chegou à Espanha, acompanhado de seu pai e de seu irmão, para um jantar com a diretoria do Sevilla. Perto das onze da noite, ele e o irmão decidiram ir a um bar perto do hotel onde estavam acomodados para tomar uma bebida e se preparar para o dia seguinte, quando a transferência para o clube espanhol seria concretizada após alguns detalhes serem resolvidos.


Chegando lá, Rakitic foi servido por uma das mulheres que trabalhavam no bar, uma garçonete chamada Raquel. Ele não conseguia falar com ela porque o inglês dela não era bom e, naquela época, o croata ainda não sabia falar espanhol. Naquela noite, o meia discutia com seu irmão outras propostas que haviam chegado. Um clube, em específico, estava disposto a mandar um jatinho buscar Ivan para fechar negócio.


A resposta de Rakitic, contudo, foi clara: "não, eu dei minha palavra ao presidente do Sevilla... e vou me casar com essa garçonete". A reação do irmão foi como se estivesse dizendo "tudo bem, faça o que você quiser", sem levar muito a sério as palavras ditas.


Nos três meses seguintes em que viveu no hotel, Rakitic ia todo dia ao bar. “Un café con leche y una Fanta naranja, por favor” era o pedido que Raquel ouvia diariamente e também a única coisa que o croata sabia falar em espanhol naquela época.


Com o tempo, ele começou a aprender o idioma. Era necessário, caso quisesse concretizar o plano de se casar com ela. Em um momento, ele começou a chamá-la para sair, mas a resposta era sempre a mesma: “Não posso, tenho que trabalhar”. Até um dia em que um amigo avisou Ivan de que ela estava no bar, mas não estava no horário de trabalho. Ele foi até lá, se aproximou dela e disse: “Você não está trabalhando agora”.


Rakitic se casou com Raquel Mauri em uma cerimônia civil em 2013 e o casal tem duas filhas. A festa de celebração do casamento aconteceu apenas em 2015, um mês após a final da Liga dos Campeões em que o croata marcou o gol que abriu o caminho para a conquista do Barcelona.


Em pouco mais de quatro anos anos, Rakitic conheceu a esposa, se tornou o primeiro capitão estrangeiro do Sevilla desde Maradona, conquistou a Liga Europa, se transferiu para a Catalunha e fez um gol na final da Champions. Sua trajetória na Espanha é espetacular.


Getty Images
Getty Images

De uma noite no bar a uma virada histórica: a trajetória de Rakitic na Espanha


O croata vive uma história de amor de cinema. Conheceu sua esposa no dia em que chegou à Espanha. Entretanto, Raquel não é o único amor que Rakitic encontrou por lá. A trajetória no clube andaluz foi brilhante, foram três anos e meio em que ele foi o principal jogador da equipe. Capitão pela faixa, mas também pela liderança exercida em campo.


Quando recebeu a proposta do Barcelona, foi bastante claro: só sairia se o Sevilla quisesse, se a proposta fosse interessante para o clube também. Ele expressou seu desejo de ir à Catalunha, mas se o clube andaluz quisesse que ele ficasse, não haveria resistência, Rakitic renovaria. No fim, tudo deu certo para ele e sua carreira ganhou as cores azul e grená.


Foi na Catalunha onde ele encontrou seu terceiro amor na Espanha: o Barcelona. Quando chegou e recebeu a camisa 4, que já foi de Guardiola, disse que gostaria de ter tanto êxito quanto ele. Claro que a influência de Pep como jogador foi enorme e é difícil de ser igualada, mas não dá para dizer que Rakitic não está sendo bem-sucedido nessa tarefa.


Em nenhum momento o croata tentou repetir o que outros fizeram. Não tentou imitar Guardiola. Não tentou ser similar a Xavi para substituí-lo. Suas características ajudaram a mudar a cara do time e ele se tornou titular absoluto. A fase ruim na atual temporada era inexplicável, mas agora parece fazer parte do passado. Os últimos jogos foram dignos do camisa 4 que chegou, conquistou a torcida e se apaixonou por um clube que o recebeu de braços abertos.


Rakitic renovou até 2021, quando terá 32 anos. Ele ainda terá bons anos sendo um jogador importante para o Barça, atuando em alto nível. A renovação foi merecida e dá continuidade a uma das melhores histórias do futebol espanhol: a do croata que se apaixonou em seu primeiro dia de Espanha e que continua vivendo o futebol de forma apaixonante dia após dia.