Quebra-cabeça: o Barcelona com Suárez e sem Iniesta

É, meu amigo, depois da marcante derrota para o Real Madrid no Bernabéu uma série de eventos aconceceram no Barcelona, eventos que no fim das contas ajudarão a equilibrar e escalar o time no próximo mês.


Getty Images
Getty Images

Esta escalação do Barça que iniciou a partida diante do Real no Bernabéu precisará de alguns ajustes.



É só juntar as seguintes peças:


-O meio de campo apresentou uma fragilidade preocupante, defensiva e ofensivamente escancarada contra o Real.


-Luis Suárez estreou muito bem. Não tem como ficar de fora. O trio de frente é intocável.


-Para ter o trio de frente, a equipe necessita de mais proteção de volantes.


-Iniesta se contundiu e ficará 3 semanas fora de combate.


-Mascherano continua jogando muito, mesmo quando improvisado na zaga.


-Mascherano ainda apareceu na lista dos 23 jogadores concorrentes a de Bola de Ouro da FIFA. Mais moral e mais confiança para seguir se reafirmando.


 -Xavi fez um bom primeiro tempo, mas mostrou que não aguenta o ritmo de um jogo duro por 90 minutos.


-Rakitic é outro que vem se esforçando muito pelo time, mas não está totalmente adaptado à posição de segundo volante. Com a contusão de Iniesta o croata poderia ser um pouco adiantado, onde se sente mais confortável.


E aí, já deu pra visualizar qual seria uma boa escalação a ser testada no período em que Iniesta estiver ausente?!


Seria assim:

Esquema 4 – 2 – 1 – 3:
Bravo, Dani Alves, Piqué, Mathieu e Jordi Alba. Busquets, Mascherano e Rakitic. Messi, Suárez e Neymar.


Traduzindo:

Alba volta para a lateral, Mathieu volta pra zaga, Xavi sai e Mascherano vai fazer companhia a Busquets como segundo volante. Enquanto isso, Rakitic volta para jogar mais adiantado na função de Iniesta, encostando com mais liberdade no trio de ataque que tem tudo para ser fulminante. Lembrando que o trio de frente tem que alternar mais as posições para confundir os adversários. Sem esquecer que Messi deve seguir variando seus movimentos, também buscando a bola no meio para armar o jogo com a bola dominada de frente para gol.


Esclarecendo também que esta formação é ideal para jogos mais duros, contra o PSG por exemplo, é nessa escalação que eu apostaria. Mas veremos como Luís Henrique vai escalar o time neste sábado no Camp Nou diante do Celta de Vigo.