Barça: apesar do show, ninguém ganha tudo sempre

Voltar a ver o arquirrival levantar a taça da Liga Espanhola após 5 anos não é o fim do mundo. Foram apenas 3 pontos de diferença. Também por inúmeros outros detalhes o vencedor poderia ter sido outro. O Barcelona sai de cabeça erguida por ter o melhor ataque, melhor jogador e artilheiro e por ter vencido a partida que ficará marcada como o jogo do ano na Espanha, quando o Barça matou o campeão Real em pleno Bernabéu, com show de Lionel Messi.

A taça não vem sempre, impossível ganhar tudo, mas a certeza de ser o time que mais dá espetáculo no planeta continua e honra o manto e o torcedor.

As qualidades e os defeitos primordiais da equipe ao longo da competição foram vistos ontem na vitória por 4 a 2 de virada contra o Eibar, que marcou a despedida do técnico Luis Enrique do Camp Nou:


getty images
getty images

Homenagem para o último jogo de Luis Enrique no Camp Nou


Gols sofridos pelo lado direito da defesa

Sofrer gols em casa e para times pequenos não foi uma novidade. Também não foi coincidência os dois gols saírem pelo lado direito da defesa, setor mais frágil desde a saída de Daniel Alves.

Neymar dando show e pecando na última bola

Novamente Neymar mostrou todo seu repertório, chamou o jogo, cavou pênalti, criou inúmeras chances, deu mais uma vez seu show sobrando pra cima da defesa, mas, novamente, pecou na última bola. Duas chances perdidas cara a cara com o goleiro. Para tentar brigar com Messi pelo protagonismo, terá de melhorar neste quesito. Treze gols no campeonato é muito pouco para um craque desta envergadura.


Getty Images
Getty Images

Nesta temporada Neymar foi gigante, mas falhou muito de frente pro gol


Suárez não foi o mesmo

Apesar dos excelentes números (29 gols e 13 assistencias) e de ter guardado o seu ontem, o matador uruguaio pecou muito nesta temporada de frente com o goleiro. Ontem se viu mais disso, foram 3 chances desperdiçadas cara a cara. Um melhor desempenho do camisa 9 poderia ter alterado o rumo das coisas para o Barcelona nos jogos decisivos.

Lionel Messi, o protagonista

Pra variar, Messi mais uma vez foi o melhor do time, o decisivo e o protagonista da partida. Apesar de ter errado um pênalti e de ter perdido um gol incrível, Messi soube dar a volta ao dar uma assistência pra Neymar depois de se livrar de dois zagueiros no primeiro gol, de converter outra penalidade e de fechar o espetáculo com um gol de placa após sair driblando 5 defensores desde a linha do meio campo. Foram incríveis 37 gols no campeonato, com mais 9 assistências. O Chuteira de Ouro da Europa e melhor jogador disparado. Muito difícil ver alguém chegar perto do argentino, o ET está muito longe dos seres humanos.


getty images
getty images

O protagonista


Para a próxima temporada, com um elenco mais sólido, com a defesa mais equilibrada e com o tridente continuando a dar show, certamente o Barça estará novamente perto de todos os troféus em disputa. Ganhar sempre? Impossível. Nem Pelé, nem Messi, nem as equipes de Guardiola, de Mourinho e Ancelotti, e nem os times com elencos milionários conseguem. Temos que aprender que desempenho é uma coisa e troféu é outra. Não podemos jogar mais uma temporada de espetáculos do tridente, de Remontada histórica e de show no Bernabéu no lixo. Os livros falarão muito deste Barcelona de Luis Enrique.

Ainda tem uma importantíssima e suada final de Copa do Rei contra o Alavés, atingida com lindas vitórias em acirrados confrontos contra Bilbao, Atlético de Madrid e Real Sociedad.

O time merece essa taça para coroar a bela temporada. Que venha com mais uma atuação inesquecível em busca de um tricampeonato inédito nesta competição.