Os 11 eleitos para o sonho da remontada histórica

Depois do massacre de 4 a 0 em Paris que espantou o mundo, o Barcelona precisava de alguma mudança para sair daquele abismo, e Luis Enrique o fez. O esquema mudou para o 3-4-3, tornando o time muito mais imprevisível. Peças também foram alteradas nas vitórias diante do Atlético de Madrid no Calderón e diante do Sporting Gijon e do Celta no Camp Nou. O Barça renasceu, voltou a dar show, assumiu a liderança do Campeonato Espanhol e encheu os fãs do futebol de esperança para uma remontada histórica na tão aguardada noite de hoje.


Getty Images
Getty Images

Chegou a hora


Dentro deste cenário de um "novo Barça", se eu fosse o Luis Enrique, estes seriam os meus 11 eleitos para a batalha de hoje:

1. Separarando os intocáveis
Ter Stegen, Piqué, Umtiti, Busquets, Messi, Suárez e Neymar. Nestes ninguém mexe, certo? Sendo assim, restam 4 vagas.

2. Compondo a defesa com 3 zagueiros
Para manter o sucesso da formação com 3 zagueiros, eu não abriria mão de jeito nenhum da experiencia, da pegada e da cobertura veloz de Javier Mascherano. O cascudo argentino ficaria no lado direito, formando a linha de 3 com Piqué centralizado e Umtiti pelo lado esquerdo.

Agora restam 3 vagas.

3. Os alas/meias
Um jogador que ficou de fora contra o Atlético de Madrid foi Jordi Alba, substituído por Mathieu. O lateral não fez falta nesse jogo, mas para a partida contra o PSG eu jamais deixaria de ter a velocidade e a versatilidade deste grande jogador. Alba, além de ter uma recomposição muito boa na defesa para parar os contra ataques adversários, também oferece muitas opções de enfiadas de bola pela ponta esquerda quando Neymar faz o facão pra dentro. Esta jogada é vital para quem precisa de 4 gols e só Alba pode realizá-la. Do lado direito, eu abriria mão de Sergi Roberto pela canhota de Rafinha. O brasileiro que sempre foi o melhor reserva da equipe se tornou peça-chave neste novo esquema e abirir mão dele seria um erro fatal, o time perderia a impresibilidade. Rafinha é mais agudo, pode cair pela ponta, pelo meio e também sabe compor o meio campo. Possui a força física necessária para este duelo com os potentes meio campo francês. Sendo assim, Alba e Rafinha flutuariam entre o meio e pontas, deixando a parte defensiva resguardada por Masche, Piqué, Umtiti e Busquets na cabeça do meio. 4 experientes, bons no cabeceio e com boa saída atrás e dois alas/meias versáteis a frente.

Resta UM!

4. A última vaga no meio campo
Denis Suárez nem foi relacionado, mas, obviamente eu jamais o escolheria. Outro que ficou muito bem do lado de fora é André Gomes. Arda Turan voltou a ser relacionado, mas também não tem vaga nesse time. Sobram Andrés Iniesta e Ivan Rakitic. Apesar do craque croata ter jogado bem o último jogo e de ter melhor preparo físico, a vaga restante de criação não tem como não ficar com o mago espanhol. Precisando de 4 gols, de intensa posse de bola, de criatividade e de experiência, a vaga tem que ser dele. Iniesta tem sido chamado de velho, mesmo com 33 anos. Ele apenas tem características que podem se encaixar ou não para cada jogo dependendo da escalação e do esquema do time. Há dois jogos sem entrar em campo, Iniesta estará novo para esta noite e certamente lhe sobrarão espaços para fazer a diferença.

Portanto, escolhi um time experiente, versátil, ofensivo, experiente, veloz e bem equilibrado.

Ficou assim:

                                          Ter Stegen

         
                              Mascherano  Piqué   Umtiti


                                           Busquets


                      Rafinha                               Jordi Alba


                                             Iniesta

                              
                                Messi     Suárez    Neymar



Com uma equipe como essas, é ter paciencia que as chances surgirão naturalmente. Os gols irão sair. O ideal seria marcar até os 30 primeiros minutos e tentar virar com dois a zero até o intervalo. O grande perigo, como todos sabem, serão os contra-ataques, a marcação e a a assustadora força de transição de defesa para o ataque do PSG.

Que o Barça consiga levar a partida com chances até o final, seria fantástico para o espetáculo. Messi está querendo, Suárez está babando e Neymar está voando.


É quase impossível, mas seria épico.

Visca el Barça!