Edigar 'Salvador' Junio deixa vivo o sonho do Bahia pela Libertadores

Por Cláudio Santos


O Bahia entrou em campo pra sacramentar a permanência na primeira divisão. Um triunfo na ''Ressacada'' e o fantasma do rebaixamento seria enfim exterminado. Mas a torcida já não pensava em fugir do Z4, o objetivo era outro. Sim, amigos, a classificação para Libertadores da América. A evolução dos últimos jogos credenciava o time a brigar por algo a mais, a tabela "favorável" e a confiança recuperada tinham se tornado fortes aliados.


O desempenho do time comandado por Carpegiani atingiu um nível que fez o tricolor ter umas das melhores campanhas do 2° turno. Dentro de casa o esquadrão voltou a ser imbatível, mas faltava melhorar o desempenho fora de Salvador pra enfim permitir de fato o sonho de uma classificação pra "Liberta" 2018.


Vamos ao jogo:


Carpé fez algumas alterações para o confronto contra o Avaí. O zagueiro Thiago Martins substituiu Lucas Fonseca contundido e Juninho entrou no lugar de Vinícius, que não agradou nos 45 minutos em que jogou no triunfo de 2x0 sobre a Ponte Preta no último domingo, na Arena Fonte Nova.


Esperávamos do Bahia um início de jogo impositivo, com trocas de passes curtas, tabelas e infiltrações, mas não foi o que vimos acontecer. O Avaí, time que tem clara proposta reativa, foi pra cima do Tricolor e, com menos de 15 minutos, teve 3 grandes chances de abrir o marcador. O Bahia estava "dormindo", aceitava a pressão adversária e, aos 17 do 1° tempo, numa cobrança de falta, o Interminável Marquinhos abriu o placar, com grande contribuição do goleiro Jean.


Gazeta Press
Gazeta Press

Na falta de Lucas Fonseca, Thiago Martins deu conta do recado


O Bahia precisava mudar sua postura, atacar o adversário, pôr a bola no chão e explorar o grande trunfo desse time: a intensidade e a grande mobilidade do setor ofensivo. O Tricolor foi pra cima, pressionou o Avaí em seu campo defensivo e eis que, aos 33 minuto do 1° tempo, após uma linda cobrança de falta de Juninho acertar as duas traves, Renê Júnior tentou pegar o rebote, mas a bola sobrou pra o iluminado "Edigol" Junio fuzilar as redes e empatar a partida.


O jogo era tecnicamente ruim, as duas equipes não conseguiam executar suas propostas, mas o destino reservava ao Tricolor um final feliz. A luz que paira sobre um tal de Edigar Junio desde que retornou de lesão ainda não havia se apagado, até então eram 6 gols e 1 assistência em 6 jogos, fase espetacular do atacante tricolor. E aos 33, após belíssima construção ofensiva, a bola foi de pé em pé, e chegou em Allione, que cruzou pra "Edigol" mandar pro fundo da meta do goleiro Douglas, virar a partida e garantir o triunfo do tricolor.


Chegamos aos 45 pontos, a três da nossa melhor pontuação na história dos pontos corridos, que nos permite sonhar com algo a mais. A Sul-Americana já é uma possibilidade real, mas, see o Bahia mantiver a regularidade, pés no chão e a seriedade no trabalho, vai brigar pela vaga na Libertadores até o fim.


Vamos, Avante Esquadrão! Quem mandou deixar sonhar ?


Fica aqui a convocação a Nação Tricolor: domingo, diante do Atlético-MG, temos a missão de LOTAR a Arena Fonte Nova. Não tem desculpa, precisamos empurrar o NOSSO TRICOLOR. Vamos ao Aeroporto, vamos ao Fazendão, vamos pra cima, vamos Bahêa! #BBMP